fbpx

Emma Walmsley: a Covid-19 é a chance de redenção da indústria farmacêutica

Emma Walmsley diz que é o momento de encontrar soluções com responsabilidade e de explicar que é do interesse de todos manter a lucratividade

A indústria farmacêutica é constantemente criticada por questões como altos preços de medicamentos. Mas enquanto o Covid-19 se espalha em todo o mundo, acentuando a necessidade de terapêuticas e vacinas, os fabricantes de medicamentos devem abraçar a chance de mudar a percepção do público.

Essa é a mensagem que Emma Walmsley, CEO da GlaxoSmithKline (GSK), transmitiu na terceira palestra anual Helen Alexander Memorial. Mas a rara oportunidade de redenção também vem com um desafio, ela avisou.

“O mundo nunca viu nosso setor tão importante”, disse Walmsley, citado pela Bloomberg.

“Temos a chance de melhorar nossa reputação se cumprirmos nosso propósito de encontrar soluções com responsabilidade. Mas também precisamos explicar melhor por que é do interesse de todos que continuemos a fazer isso de forma lucrativa”.

A indústria farmacêutica tentou, enfim, explicar como os preços dos medicamentos ajudam a cobrir seus investimentos em P&D.

E que eles definem, assim, os preços de maneira responsável.

Mas no passado esses esforços pouco fizeram para influenciar a opinião pública.

Na verdade, uma pesquisa anual do Gallup descobriu no ano passado que a indústria farmacêutica caiu para o fundo do poço entre 25 setores avaliados pelos americanos.

A Covid-19 torna a conversa sobre a lucratividade da Big Pharma ainda mais delicada

Walmsley disse que a GSK não planeja lucrar com a vacina Covid-19 que está desenvolvendo com a Sanofi durante a fase pandêmica.

Isso significa que a empresa reinvestirá quaisquer lucros de curto prazo em preparação para uma pandemia, disse ela.

A GSK também está oferecendo seu adjuvante de vacina pandêmica, AS03, para desenvolvedores de várias outras vacinas Covid-19 experimentais.

A promessa de Walmsley é semelhante àquela feita por executivos da AstraZeneca e Johnson & Johnson, que também estão trabalhando em vacinas Covid-19.

Mas outros questionaram a lógica por trás das empresas farmacêuticas renunciar aos lucros em uma pandemia.

O CEO da Pfizer, Albert Bourla, por exemplo, chamou essa conversa de “muito fanática e radical”.

A Gilead Sciences sabe em primeira mão o quão desafiador é o preço dos medicamentos durante uma pandemia.

A empresa enfrentou uma série de resistências ao remdesivir.

Que, por sua vez, possui uma autorização de uso emergencial do FDA para o tratamento de Covid-19 e está aguardando a decisão formal da agência sobre a aprovação.

Mesmo depois que a Gilead estabeleceu o preço de tabela do medicamento em um limite de custo-benefício que os observadores da indústria consideraram muito rigoroso, o deputado Lloyd Doggett, presidente do Subcomitê de Saúde de Maneiras e Meios da Câmara, bem como do grupo de defesa do consumidor Public Citizen, ainda recusou o preço.

Quanto à noção de que a pandemia oferece uma oportunidade de reformulação da reputação para o setor, Walmsley não é a única a apoiar essa ideia.

O CEO da Eli Lilly, David Ricks, fez comentários semelhantes antes, dizendo que a pandemia dá à indústria biofarmacêutica uma “oportunidade única em uma geração de redefinir” sua reputação.

Confiança

A boa notícia é que a reputação da indústria farmacêutica aumentou durante a pandemia.

Em abril, a pesquisa Harris descobriu que cerca de 40% dos americanos tinham uma visão positiva da indústria farmacêutica, contra 32% antes do Covid-19.

E no início deste mês, esse número subiu novamente, para 49% para todo o setor farmacêutico.

O impulso veio logo depois que os CEOs de nove desenvolvedores de vacinas Covid-19, incluindo Walmsley, assinaram um compromisso conjunto concordando em apresentar as vacinas para autorizações de emergência apenas quando forem comprovadas como seguras e eficazes em grandes estudos clínicos de fase 3.

Fonte: Fierce Pharma

Foto: GSK

Deixe um comentário