Enjoo na gravidez: como tratar?

O Zingiber officiale Roscoe (gengibre) é um exemplo de ingrediente fitoterápico poderoso e aliado ao manejo de náuseas e vômitos

Cerca de 85% das mulheres podem apresentar Náuseas e Vômitos na Gestação (NVG) e este quadro pode se apresentar em diversos graus de êmese (vômitos) associado à náusea. Na grande maioria das vezes (90%), ela incide nas primeiras semanas da gestação com melhora progressiva, sendo apenas ocasional depois da 20ª semana¹.

O hormônio Beta-HCG produzido na placenta é apontado como o principal fator para esse fenômeno, conforme explica o ginecologista e obstetra do Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” (Cejam), Dr. Gilberto Nagahama.

Ele lembra, inclusive, que existem quadros mais graves de vômitos nas gestantes, denominados de hiperêmese gravídica. “Eles representam apenas 1,1% de todos os quadros de vômitos na gestação e podem trazer riscos à saúde da mãe principalmente, pois apresentam quadros de vômitos intensos e não controláveis”, explica.
Com a piora do quadro e sem correções dos desvios metabólicos já instalados, corre-se o risco de que o comprometimento afete o sistema cardiovascular (arritmias) e o Sistema Nervoso Central (SNC)¹.

Opções de alívio aos sintomas do enjoo na gravidez

Existem diversas opções medicamentosas para coibir os vômitos na gravidez. Porém, todos eles estão sujeitos a efeitos colaterais, assim como ocorre com qualquer medicamento. Daí a importância do auxílio médico para escolher a melhor solução para a paciente.

Em 2019, por exemplo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um alerta sobre a ondansetrona, recomendando não utilizar este medicamento durante o primeiro trimestre de gravidez. Aliás, essa determinação, agora, deve fazer parte da bula desse fármaco.

Apesar disso, boa parte das fórmulas disponíveis traz segurança para a gestante. “Os medicamentos disponíveis na maioria são seguros e não causam malformação fetal. Como efeito colateral mais comum está a sonolência”, explica o médico no Núcleo de Mama e Pelve da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. José Carlos Sadalla.

Uma alternativa que tem sido indicada por médicos para enjoo na gravidez são os medicamentos fitoterápicos, feitos exclusivamente de matéria-prima vegetal. Assim como as demais categorias de medicamentos, eles são registrados junto à Anvisa e, portanto, cumprem todos os regulamentos técnicos da categoria. A segurança e eficácia são baseadas em evidências clínicas ou em dados de uso seguro e efetivo. O gengibre (Zingiber officinale Roscoe), por exemplo, é um aliado ao manejo da náusea e êmese¹.

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), ele possui ação antiemética, podendo auxiliar as gestantes com náuseas matinais e episódios esporádicos de vômitos.

Fitoterápicos podem ser utilizados, especialmente o gengibre, pois possuem boa eficácia, além de serem seguros para a gestante e o bebê”, constata o Dr. Sadalla, ponderando, apenas, que nunca se deve usar medicação na gravidez sem contatar um médico.

Referência:

1. Êmese da gravidez, da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/media/k2/attachments/SeyrieZ-ZEmeseZnaZGravidezZ-ZwebZ-ZversoZfinal.pdf. Acesso em: 08/02/2021.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário