Entenda a relevância da vitamina D para manter a imunidade no outono e no inverno

Manter bons níveis da vitamina é importante neste período de menor exposição solar e aumento das doenças que afetam o sistema respiratório

No período do outono e inverno há um crescimento significativo na ocorrência das doenças respiratórias, como gripes por influenza e resfriados. Além disso, a menor exposição ao sol contribui para reduzir os níveis de vitamina D no organismo – uma importante aliada para manter a boa saúde e proteger as pessoas das infecções respiratórias, conforme comprovado cientificamente.

“Vários estudos têm mostrado o papel importante desta vitamina na modulação da imunidade. O sistema imunológico funciona como uma defesa do corpo, combatendo os agentes que causam infecções. Temos a imunidade inata e a adaptativa. A inata é uma resposta natural, rápida, feita por barreiras físicas, químicas e biológicas, mesmo sem contato prévio. Já a resposta adaptativa depende da ativação de células especializadas, os linfócitos. A vitamina D estimula o sistema imune inato e modula o sistema adaptativo. Em outras palavras, ela participa do processo de defesa contra diversos agentes infecciosos”, explica Odair Albano, ginecologista, obstetra e consultor de saúde.

Uma pesquisa realizada em São Paulo com voluntários saudáveis (18-90 anos) mostrou deficiência do nutriente em 77% dos participantes no final do inverno e 37% no final verão, demonstrando a diferença entre as estações do ano. “Muitas publicações atribuem o aumento sazonal, no inverno, de casos influenza e outras infecções respiratórias à deficiência de vitamina D”.

Um trabalho com dados de todos os continentes, mostrou que com o uso de 2000 UI vitamina D por dia houve redução de 93% na taxa de infecções respiratórias em mulheres afro-americanas.

Como aumentar o nível de vitamina D

Em condições normais, os níveis de vitamina D para manutenção dos benefícios em pessoas saudáveis devem ser superiores a 20 ng/ml e, nos grupos de risco, entre 30-60 ng/ml, segundo o especialista. “Níveis entre 40-60 ng/ml são seguros e mais eficazes para a ação imunomoduladora da vitamina D nas infecções respiratórias”, pontua o Dr. Albano.

Para elevar o nível de vitamina D no organismo, o especialista ressalta que “a exposição ao sol, por pelo menos 15 minutos por dia, entre 10h e 14h, preferencialmente, sem protetor solar, alimentação rica em vitamina D e, quando necessário, suplementação, são recursos significativos para manter a saúde neste período”.
A endocrinologista Victória Borba, professora adjunta de endocrinologia Universidade Federal do Paraná (UFPR), observa que, apesar de a dieta ter um papel importante, a vitamina D é pouco disponível nos alimentos normalmente consumidos no Brasil.

“É encontrada em peixes gordos, como salmão selvagem, algas expostas ao sol e sardinha, mas em quantidades pequenas. A média de ingestão do nutriente pelos brasileiros é de 80 UI/dia; de acordo com o estudo Brazos (Brazilian Osteoporis Study), quando o necessário é de, no mínimo, 1000UI/dia”, esclarece a especialista. Por isso, ela recomenda a suplementação quando for preciso, com orientação médica.

Foto: Shutterstock
Fonte: Dr. Odair Albano

Não se automedique, consulte um profissional de saúde.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário