fbpx

ePharma tem pico de transações de remédios por conta do coronavírus

Operando de forma remota e com plano de emergência, sistema autorizador da empresa manteve acesso a medicamentos para milhões de beneficiários

A ePharma, especialista no segmento de planos de benefícios de medicamentos (PBM), registrou um volume recorde de remédios dispensados nas farmácias brasileiras por conta da pandemia do novo coronavírus. Entre 16 e 18 de março, período de elevação da crise no país, o sistema autorizador da empresa processou o maior volume de transações oriundos dos diversos programas de assistência farmacêutica mantidos pela empresa.

Esse valor é 20% superior à média registrada no mesmo período de anos anteriores. O dia 18 de março registrou o maior volume e o mês de março já contabiliza um avanço de 10,40%, quando comparado com os dois primeiros meses do ano.

“Mesmo com o estresse de demanda, construímos um sistema tecnológico de alta escalabilidade. Assim, permitindo manter níveis de serviços próximos de 100% mesmo com picos de utilização. Com isso, pudemos garantir o acesso a medicamentos para mais de 26,5 milhões de beneficiários, que têm à disposição cerca de 27 mil farmácias e 155 unidades de entrega via delivery credenciadas em três mil municípios brasileiros”, informa o presidente da ePharma, Luiz Carlos Monteiro. Anualmente, mais de 25 milhões de unidades de medicamentos são dispensadas no varejo farmacêutico. Outras 38 mil unidades referem-se aos produtos oncológicos orais, distribuídos pelos Programas de Suporte ao Paciente.

Coronavírus: pico de transações de remédios

O pico de demanda tecnológica coincidiu ainda com a adequação da empresa à restrição de circulação necessária pela crise do Covid-19. A partir de um comitê de crise e amparada por um Plano de Continuidade de Negócios (PCN)  instalado nos anos anteriores, a empresa passou a operar 100% de forma remota desde o dia 16 de março. Assim, protegendo rapidamente seus 350 colaboradores e colaborando com as medidas sanitárias em instalação. O PCN envolve 16 áreas críticas e impacta pessoas, processos, tecnologias e recursos. O objetivo é oferecer normalidade à operação, desde a equipe de BI, infraestrutura e comercial até aos setores financeiros técnicos e de atendimento ao cliente.

Para garantir a privacidade e o funcionamento do sistema tecnológico, a empresa também investiu na certificação pelo ISO/IEC 27001. A certificação é um sistema de gestão da segurança da informação reconhecido internacionalmente. Além disso, outras medidas também foram implementadas antecipadamente, como: o armazenamento de arquivos e dados em nuvem; e a adoção da telefonia Voip, com ramais virtuais que permitem aos funcionários fazer suporte ao paciente da própria casa.

Foto: Shutterstock

Fonte: ePharma

 

Deixe um comentário