Esclerose múltipla demora de seis meses a dois anos para ser diagnosticada no Brasil

Apesar do avanço, os sintomas da esclerose ainda são muito confundidos com os de AVCs, labirintite, câncer e com problemas de visão, aumentando a demora do diagnóstico

A esclerose múltipla é uma doença neurológica autoimune rara, que afeta principalmente mulheres jovens. Atualmente, cerca de 73 mil pessoas convivem com a doença na América Latina e 67% dessas pessoas são mulheres.

A esclerose múltipla ainda não é facilmente identificada e o diagnóstico no Brasil ainda demora em média seis meses a um ano para acontecer. Apesar do avanço, os sintomas da esclerose ainda são muito confundidos com os de Acidente Vascular Cerebral (AVC), labirintite, câncer e com problemas de visão. Assim, aumentando a demora do diagnóstico.

“Acredito que esse número de 73 mil pessoas com esclerose múltipla na América Latina ainda seja subestimado justamente pela dificuldade no diagnóstico. A esclerose múltipla ainda é uma doença rara no Brasil, mas ela possui um grande impacto não apenas na vida de quem tem a doença, mas também na sociedade”, afirma o médico professor adjunto de neurologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Dr. Denis Bichuetti.

Dificuldade no diagnóstico

Essa demora faz a doença progredir devido ao início tardio do tratamento. Além disso, os pacientes com esclerose múltipla ainda são alvo de muito preconceito.

Segundo a pesquisa preliminar realizada pelo Charles River Associates, encomendada pela farmacêutica Merck, 78% das mulheres com esclerose múltipla afirmaram que a doença afetou sua vida profissional. Outro dado de destaque é que 50% das pessoas com esclerose, em idade produtiva, não possuem ocupação com renda. Isso ocorre pela falta de apoio no local de trabalho e pelo preconceito.

Além disso, 34% das mulheres com a doença afirmaram que decidiram não ter mais filhos após o diagnóstico.
“Nos Estados Unidos, a esclerose múltipla é a primeira causa de incapacidade neurológica abaixo dos 50 anos de idade. No Brasil, ela não é a primeira apenas porque perde para ferimentos por arma de fogo, armas brancas e acidentes automobilísticos”, complementa o Dr. Bichuetti.

Casa da Esclerose Múltipla da Merck

As informações e o impacto da esclerose múltipla na vida das pessoas foram abordadas na inauguração da Casa da Esclerose Múltipla, organizada pela Merck em parceria com a Organização Não Governamental (ONG) Amigos Múltiplos pela Esclerose (AME), no shopping D&D, em São Paulo (SP).

A casa mostra atitudes comuns do dia a dia, como pentear os cabelos ou se olhar no espelho, através do olhar de uma pessoa com a doença. A casa tem ativações que permitem que as pessoas sintam os sintomas da doença sem tratamento. Alguns dos sintomas são: visão dupla, dificuldade ao andar, tremedeiras e tonturas.

“Eu tinha muitos sonhos e quando recebi o diagnóstico pensei que todos esses sonhos teriam que ser jogados fora. Eu me enganei e hoje tenho uma vida normal e me preparo para o melhor momento da minha vida: ser pai”, afirma o diretor executivo da AME e portador da doença, Gustavo San Martin.

Atualmente, a esclerose múltipla é uma doença tratável através de medicamentos com corticóides, transfusões de plasma e medicamentos injetáveis. Dentre os pacientes que recebem o diagnóstico rápido e que seguem o tratamento corretamente, 80% deles tem a progressão da doença interrompida. Assim, mantendo a expectativa de vida quase a mesma de uma pessoa sem a doença.

“A esclerose múltipla é uma das doenças mais previníveis que existem. Afinal, se conseguimos diagnosticar precocemente, toda essa cadeia de evolução pode ser completamente bloqueada”, conclui o Dr. Bichuetti.

A Casa da Esclerose Múltipla que está em sua terceira edição, é uma iniciativa da farmacêutica Merck. Ela marca o Agosto Laranja em conscientização a doença.

Local: shopping D&D – Avenida das Nações Unidas, 1255 – Broklin, São Paulo – SP
Data: 21 a 24 de agosto de 2019
Horário: 10 horas às 20 horas
Entrada: gratuita

Foto: Merck – Ybirá Sorrentino
Fonte: Guia da Farmácia

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Sobre o colunista

Jornalista, redatora de textos SEO, especializada no setor farmacêutico.

Deixe um comentário