Genéricos no autosserviço

Para garantir boas vendas entre os genéricos, é fundamental que, quando isentos de prescrição médica, esses medicamentos estejam acessíveis ao consumidor

Dentro da linha de Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs), uma parcela deles é constituída por genéricos. Segundo dados da IQVIA*, hoje, no segmento, 85,2% são medicamentos éticos (de prescrição) e o restante (14,8%) são populares (isentos de indicação médica). Portanto, pode-se explorar essa fatia no autosserviço, já que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autoriza essa prática.

“A categoria de MIPs demanda uma organização de medicamentos em gôndola, facilitando a interação com o consumidor. O sortimento é essencial para que o ponto de venda (PDV) busque atender aos diversos perfis de paciente. Há genéricos disponíveis em algumas classes de MIPs, seguramente ótimas opções para garantir o acesso a tratamentos eficazes e mais baratos”, resume o gerente de marketing da Sandoz, Renato Suzuki.

O ideal é que o consumidor tenha fácil acesso à compra desses produtos, com uma exposição prática e funcional, e sem interferência dos atendentes quanto à escolha entre as opções disponíveis. No entanto, o farmacêutico precisa estar de prontidão para oferecer qualquer esclarecimento, se assim solicitado.

Esse profissional precisa estar apto a aconselhar o consumidor na leitura da bula dos medicamentos e orientá-lo quanto à forma de administração (posologia), à duração do tratamento, ao modo de ação, às possíveis reações adversas, contraindicações e interações com outros medicamentos/alimentos.

“Por conta dessa possível necessidade de auxílio do usuário, o melhor local para alocar os MIPs são as prateleiras laterais bem próximas ao balcão de medicamentos”, aconselha a consultora especializada em varejo farmacêutico, Silvia Osso.

Garantir a visibilidade dos MIPs nas gôndolas é fundamental para que a categoria obtenha bons resultados. Entretanto, há muitas farmácias que não atuam de maneira rentável com a categoria.

Segundo aponta a consultora, enquanto 100% das grandes redes trouxeram todo o portfólio de MIPs para fora do balcão, cerca de 50 mil farmácias independentes ainda mantêm a categoria na mesma área reservada aos medicamentos que exigem prescrição médica.

“O correto posicionamento de MIPs e de seus subgrupos na área de vendas determina o sucesso e aumento mínimo de 27% nas vendas destes itens”, garante.

Benefícios dos genéricos ao consumidor

MAIS ECONOMIA AOS USUÁRIOS: nestes 20 anos, os genéricos proporcionaram uma economia de mais de R$ 130 bilhões em gastos com medicamentos para os consumidores brasileiros.

DESCONTOS ACIMA DE 35%: a economia foi presumida com base no cálculo dos 35% de desconto previsto em lei em relação aos medicamentos de referência. Contudo, o valor é potencialmente maior, já que o indicador não captura os reais descontos praticados pela indústria, em média, muito maiores que o estipulado na legislação.

CONCORRÊNCIA SAUDÁVEL ENTRE OS FABRICANTES: sempre que um genérico novo é lançado, os fabricantes de medicamentos de referência se veem obrigados a reduzir os preços para manter a competitividade e isto também resulta em economia para o consumidor.

QUALIDADE GARANTIDA A UM PREÇO ACESSÍVEL: o sucesso dos genéricos se deve ao sólido arcabouço regulatório criado para o segmento no País. A Lei dos Genéricos foi inspirada na legislação de países maduros como Estados Unidos, Canadá e Europa, onde os genéricos são fundamentais para o tratamento de saúde dos consumidores.

VANTAGENS AOS DOENTES CRÔNICOS: o uso de medicamentos para controle do colesterol, por exemplo, cresceu mais de 2.320% desde que a Lei dos Genéricos foi instituída em 1999. O consumo de anti-hipertensivos, voltados para o controle da pressão arterial, por sua vez, aumentou 743% nas últimas duas décadas e os medicamentos para o tratamento de diabetes registraram expansão de mais e 1.368% neste mesmo período.

Fonte: Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos)

Também é preciso pensar em uma forma de organização desses itens. A tarefa exige bom uso de conceitos de exposição, uma vez que se trata de uma categoria com centenas de SKUs (a sigla que representa o termo Stock Keeping Unit, em português, Unidade de Manutenção de Estoque, é definida como identificador único de um produto e é utilizada para manutenção de estoque). “No caso dos MIPs, seja na exposição de genéricos ou de produtos de marca, é importante sempre procurar organizá-los de acordo com uma lógica de necessidade do cliente: Dor e Febre; Gripe e Resfriado; Estômago, Fígado e Intestino; Calmante; Alergia; Vitaminas; Olhos; Primeiros Socorros. É interessante identificar bem essas categorias no PDV, com cores e descritivos. Outro ponto importante é manter todos os produtos devidamente precificados”, sugere o diretor comercial da unidade de genéricos da farmacêutica EMS, Aramis Domont.

Outra sugestão, ressaltada por Silvia, é que depois de agrupar os MIPs por indicação (analgésico, gastro, gripes, resfriados, etc.), eles sejam separados por subgrupos. Nessa organização secundária, os segmentos mais comumente usados são: dor e febre, antigripais, gastrointestinais, vitaminas, minerais e suplementos, cuidados com olhos e boca; sistema circulatório; sistema urinário; sistema reprodutivo; calmante e humor; perda de peso; e primeiros socorros.

“A arrumação das gôndolas deve seguir a ordem decrescente de saída, por subgrupo, fazendo, portanto, com que os de maior giro apareçam mais bem colocados que os de menor saída. No entanto, nos quatro primeiros segmentos (dor e febre; antigripais; gastrointestinais; e vitaminas), devem estar mais às mãos do cliente”, sintetiza Silvia.

“Cada segmento, certamente, tem uma árvore de decisão diferente e os fatores que mais influenciam a compra são: princípio ativo, marca, embalagem e preço (não necessariamente nesta ordem)”, lembra a fundadora da Connect Shopper e consultora de varejo e shopper marketing, Fátima Merlin.

Critérios para prescrição farmacêutica

O Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio da Resolução 586/13, regulamentou a prescrição farmacêutica como atribuição clínica do farmacêutico. Dessa forma, ficou estabelecido que “o farmacêutico poderá realizar a prescrição de medicamentos e outros produtos com finalidade terapêutica, cuja dispensação não exija prescrição médica, incluindo medicamentos industrializados e preparações magistrais – alopáticos ou dinamizados –, plantas medicinais, drogas vegetais e outras categorias ou relações de medicamentos que venham a ser aprovadas pelo órgão sanitário federal para prescrição do farmacêutico”.

Por amparo da legislação, o farmacêutico é, então, autorizado a realizar uma anamnese e prescrever o MIP, sempre que acionado, e pedir que o paciente retorne à farmácia para monitorar a evolução do tratamento indicado.

O farmacêutico pode, ainda, prescrever o encaminhamento do paciente a outro profissional, caso ele entenda que o problema foge do seu âmbito de atuação. Também é permitido que atue como educador em saúde, estimulando o paciente a mudar de hábitos de vida**.

Foto: Shutterstock
*IQVIA, auditoria de mercado PMB (Pharmaceutical Market Brazil), apenas canal varejo, total Brasil. Períodos em MAT [MAT significa Moving Annual Total (Movimento Anual Total, em português)](acumulado de 12 meses, com referência a fevereiro).
**Dados extraídos do Especial MIPs 2018, do Guia da Farmácia.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print