Estados elevam ICMS de medicamentos

Valor do imposto foi ajustado em 12 estados brasileiros

Com o aumento da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o valor dos medicamentos em 12 estados brasileiros, o preço final dos produtos farmacêuticos teve a primeira alta este ano. Segundo cálculos da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), que representa 52 empresas do setor, o aumento do imposto que incide sobre todos os medicamentos comercializados no Brasil gera um reajuste médio, na ponta final, de 1,2% na maioria dos Estados.

Com o aumento, grande parte dos Estados passou a alíquota do tributo de 17% para 18%. O Rio de Janeiro terá a maior alta do imposto e será o único estado que elevará o ICMS na região Sudeste. Hoje, o estado cobra alíquota de 19%. A partir de 28 de março, cobrará 20%. De acordo com o secretário de Fazenda do Estado, Julio César Bueno, o aumento é porque o Rio tem um fundo de auxílio à pobreza. “É uma alíquota adicional ao ICMS. Adotamos a medida por uma questão indesejável, mas necessária”, afirmou.

Na maioria dos outros estados — entre eles Amapá, Amazonas, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Sul —, a alíquota será de até 18%. Os estados alegam que, devido à crise econômica, há maior necessidade de arrecadação.

O setor tem argumentado que a decisão dos Estados pode obrigar uma redução dos descontos oferecidos no varejo, principalmente porque a indústria farmacêutica também teve aumento de custos, como a desvalorização do real e o aumento no preço da energia elétrica. Os fabricantes têm autorização do governo federal para reajustar o preço apenas uma vez por ano. Em 2015, segundo o IBGE, a alta foi de 6,89% e, em janeiro deste ano, de 0,28%.

Fonte: Tribuna do Norte
Foto: Shutterstock

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário