Estudo aponta Viagra como medicamento candidato para prevenção e tratamento contra o Alzheimer

O medicamento está associado a uma redução de 69% na incidência do Alzheimer após um acompanhamento de 6 anos

Um estudo publicado na última segunda-feira (6) pela Nature Aging analisou milhões de dados sobre o uso do sildenafil, substância do Viagra, e sugere que o medicamento tem potencial para ser tratado como uma “droga candidata” a atuar na prevenção e o tratamento do Alzheimer.

A pesquisa foi conduzida pela Clínica Cleveland, de Ohio, nos Estados Unidos.

Além do tratamento para a disfunção erétil, o sildenafil também é aprovado como uma terapia contra a hipertensão pulmonar.

De acordo com os resultados do estudo americano, liderado pelo pesquisador Feixiong Cheng, do Instituto de Medicina Genômica da Clínica Cleveland Clinic, o medicamento está associado a uma redução de 69% na incidência do Alzheimer após um acompanhamento de 6 anos, em comparação, então, com pessoas que não utilizavam o remédio.

Já em comparação com pacientes que eram tratados com o losartan, com prescrição médica para hipertensão arterial, as pessoas que recebiam a substância do Viagra apresentaram, portanto, um risco 55% menor de desenvolver o Alzheimer.

Demais medicamentos

O mesmo foi constatado com outros remédios:

Na comparação entre a metformina e o sildenafil, o risco de desenvolver a doença foi 63% menor para quem utilizava a substância do Viagra.

Já com o diltiazem, utilizado contra pressão alta, o índice foi 65% menor.

Os cientistas utilizaram um modelo computacional para, então, cruzar dados de drogas aprovadas pela FDA e  potenciais tratamentos para o Alzheimer.

Eles utilizaram, portanto, um banco de dados com mais de 7 milhões de pacientes.

No entanto, reiteram que são necessários estudos clínicos para comprovar, então, se de fato o sildenafil é eficaz contra a doença neurodegenerativa.

“Este artigo é um exemplo de uma crescente área de pesquisa da medicina de precisão, em que o big data é, portanto, a chave para conectar pontos entre medicamentos existentes e doenças complexas como o Alzheimer”, disse  um dos diretores do Instituto Nacional do Envelhecimento, parte do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês), que financiou a pesquisa, Jean Yuan.

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário