Estudo reconhecido pela OMS avalia efeitos da ‘Covid Longa’ em 1,2 mil pacientes em todo o País

Especialistas acompanham pacientes para detectar a presença de sintomas ou sequelas, tanto físicos quanto mentais, no período pós-Covid-19

Uma pesquisa desenvolvida por uma coalizão de hospitais e institutos brasileiros avalia os efeitos dos sintomas prolongados e sequelas após a cura da Covid-19, que vem sendo chamada de Covid Longa, Covid Prolongada ou Long Covid.

O estudo, que acompanha mais de 1,2 mil pacientes que enfrentaram a doença em todo o país, foi integrado à estratégia da Organização Mundial de Saúde (OMS) para avaliar e estabelecer estratégias de combate à Covid Longa.

O estudo é um dos nove desenvolvidos pela aliança formada por Hospital Moinhos de Vento (HMV), de Porto ALegre, e Hospital Israelita Albert Einstein, HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).

Os especialistas avaliam a eficácia e a segurança de potenciais terapias para pacientes com Covid-19 no Brasil.

O grupo já demonstrou, por exemplo, que o uso do medicamento para artrite tocilizumabe e da cloroquina não possuem efeito contra a doença.

Monitoramento

No estudo, os participantes vêm, então, sendo monitorados por ligações telefônicas a cada três, seis, nove e doze meses após a recuperação ou alta.

A saber, o objetivo é detectar a presença de sintomas ou sequelas, tanto físicos quanto mentais, no período pós-Covid, como explica o pesquisador e médico do HMV Regis Goulart Rosa.

Os resultados definitivos devem ser conhecidos entre o fim de 2021 e o início do ano que vem.

Para os próximos meses, dados preliminares já compilados devem ser apresentados.

De acordo com o médico, tanto pacientes que desenvolveram a versão grave da doença quanto aqueles que não precisaram de internação podem sofrer os efeitos da Covid Longa.

O que pode afetar, assim, a vida dessas pessoas mesmo meses após se recuperarem do vírus.

“Essas disfunções acabaram gerando sequelas importantes nesses pacientes, que podem apresentar fraqueza muscular, redução da capacidade física, incluindo até dependência física pra atividades do dia a dia, disfunção cognitiva mais severa, incluindo déficit de memória, redução de velocidade da capacidade de processamento, que são domínios importantes para a pessoa retornar ao trabalho, por exemplo”, afirma.

O médico cita outro estudo brasileiro que aponta que, a cada quatro pacientes recuperados de uma pneumonia grave, um acaba morrendo.

E a taxa de reospitalização também costuma ser alta, em torno de 60% no primeiro ano.

“Às vezes a gente dá tchau para um paciente que teve ventilação mecânica por pneumonia e muitas vezes deveria estar dando um até logo”, comenta o médico.

Sequelas psíquicas incapacitantes

Seja em casos leves ou graves, os pesquisadores buscam aprofundar dados sobre as sequelas mentais que a Covid-19 pode acarretar.

Ansiedade, depressão e estresse pós-traumático são comuns em pacientes que enfrentaram doenças como o coronavírus. De acordo com Regis, tratam-se de síndromes incapacitantes.

Um dos desfechos avaliados pelo estudo da coalizão, por exemplo, é a taxa de retorno ao trabalho o estudo de cada infectado, segundo o médico, para a monitorar também a saúde social pós-vírus.

A descoberta dos sinais da Covid Longa indica, então, a necessidade de rastreamento entre os casos da doença para detectar prováveis consequências,.

E também da elaboração de um programa de reabilitação, que pode incluir fisioterapia, fonoaudiologia e psicologia, entre outras especialidades.

A boa notícia é que a maioria dessas sequelas físicas, cognitivas e de saúde mental são transitórias, os pacientes conseguem se recuperar e ter uma melhora de sua qualidade de vida a partir da reabilitação“, reflete o médico.

Instituição de uma política pós-Covid

Na reunião realizada no início do mês de fevereiro sobre a Covid Longa, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, destacou a importância dos estudos sobre os efeitos.

“Todos precisam conhecer os efeitos da infecção nas crianças, nos grupos de risco e em todos os grupos e entender os impactos sociais e econômicos desta enfermidade. É preciso garantir a reabilitação dos pacientes. Temos 800 centros de colaboração em diversas regiões e vamos pedir que incluam a Long COVID entre as prioridades”, afirmou Adhanom.

60% das pessoas com coronavírus não têm sintomas na semana antes do resultado positivo

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário