Eurofarma e UFRJ criam cooperação para medicamentos inovadores

Dor, leishmaniose, inflamação e depressão são os primeiros alvos desta parceria

A Eurofarma acaba de assinar um acordo de cooperação técnico-científica com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com o objetivo de identificar novas moléculas para desenvolvimento de medicamentos.

A parceria da UFRJ se dá por meio do Laboratório de Avaliação e Síntese de Substâncias Bioativas (LASSBio), que é sede do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Fármacos e Medicamentos (INCT-INOFAR) – rede de pesquisa que articula competências científicas da área, presentes em diferentes Universidades e Centros de Pesquisas do País.

O acordo entre a academia e a indústria farmacêutica tem por objetivo estabelecer parceria técnico-científica visando a pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores, capacitação de recursos humanos, além de absorção e transferência de tecnologia. “Temos o início de uma parceria única no Brasil, onde toda a cadeia de inovação farmacêutica se beneficiará. Hoje, as universidades têm uma ideia, desenvolvem projetos e criam conhecimento, mas tudo isso acaba em uma renomada publicação científica. Neste modelo, a indústria farmacêutica poderá desenvolver novos medicamentos, que chegará aos pacientes. E as universidades envolvidas receberão recursos, advindos de todo o trabalho desenvolvido, que fomentará ainda mais conhecimento e novas descobertas”, explica o professor Eliezer Barreiro, coordenador Científico do LASSBio/ICB-UFRJ e do INCT-INOFAR.

Dor, leishmaniose, inflamação e depressão são os primeiros alvos escolhidos para esta parceria. “Nosso planejamento estratégico prevê que até 2030, 15% de todas as nossas vendas sejam revertidas para Pesquisa & Desenvolvimento. Em 2018, investimos R$ 250 milhões na pesquisa de fármacos e medicamentos e outros R$ 155 milhões estão sendo investidos no Centro Eurofarma de Inovação”, afirma a vice-presidente de Inovação,  Martha Penna.

O acordo prevê, ainda, o acesso ao acervo de 2 mil moléculas, muitas com propriedades biológicas comprovadas, que constitui a Quimioteca do LASSBio. Além disso, a Eurofarma e o LASSBio desenvolverão, em conjunto, atividades vinculadas aos projetos científicos, nas áreas de síntese orgânica e farmacologia. “O jovem doutor envolvido nesses projetos científicos quer conquistar reconhecimento profissional pela molécula que ele ajudou a descobrir. Mas, para transformar em medicamento as pesquisas desenvolvidas no ambiente da universidade, é essencial a parceira com a indústria farmacêutica. Tenho certeza de que a partir do convênio com a Eurofarma, em breve, a população terá acesso a um novo fármaco que fale português”, finaliza Barreiro.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

Sindusfarma premia melhores fornecedores da indústria farmacêutica

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário