fbpx

Eurofarma lança medicamento inovador para combater a obesidade

Produto será apresentado no Brasil e mais 17 países

A Eurofarma, farmacêutica brasileira de capital 100% nacional, firmou acordo com a Eisai, uma das principais companhias farmacêuticas mundiais, para comercializar Belviq® (cloridrato de lorcaserina), medicamento inovador no combate à obesidade, no Brasil e em outros 17 países da América Latina.

A lorcaserina promove saciedade devido à ativação seletiva que faz nos receptores de serotonina 2C no cérebro. Isso faz com que o indivíduo se sinta satisfeito ingerindo menos alimentos. Um de seus principais benefícios está na segurança, não sendo uma substância estimulante nem narcótica. Além disso, um outro diferencial é o fato de o paciente continuar perdendo peso ao longo do tratamento.

Veja Mais

Crescimento da obesidade

A prevalência da obesidade vem aumentando entre adultos, tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento. O Brasil vive uma verdadeira epidemia de obesidade. Dados recentes apontam que 54% dos brasileiros estão com sobrepeso e aproximadamente 20% já são considerados obesos.

De acordo com o Ministério da Saúde, um em cada cinco brasileiros sofre com o problema. Nos últimos 10 anos, a população obesa no Brasil passou de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016. Ou seja, um crescimento de 60%. Este número é ainda mais alarmante quando leva-se em consideração a população jovem, entre 18 e 24 anos, na qual houve um crescimento de 110%.

Medicamento para obesidade disponível neste ano

A lorcaserina foi aprovada em 2012 pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos. A substância foi aprovada como adjuvante de uma dieta reduzida em calorias e aumento da atividade física para controle crônico de peso em pacientes adultos com um índice de massa corporal (IMC) ≥30kg/m² (obesidade) ou ≥27 kg/m² (sobrepeso). Além disso, é necessária a presença de pelo menos uma comorbidade relacionada ao peso (hipertensão, dislipidemia ou diabetes mellitus tipo 2). O produto foi lançado nos Estados Unidos em 2013, e aprovado em 2016 pelo México e Brasil.

Segundo a vice-presidente de Inovação da Eurofarma, Martha Penna, o acordo com a Eisai será de grande importância para combater a obesidade no País. “Nossa presença em toda América Latina, excelente performance em vendas e padrões éticos foram um atrativo para a Eisai, que passa a oferecer o medicamento em um mercado bastante relevante mundialmente. Portanto, para nós, disponibilizar o Belviq® irá melhorar ainda mais as soluções para o combate à obesidade. Além disso, trará segurança e comodidade para médicos e pacientes”.

O medicamento chega ao Brasil em 2019, sem necessidade de receita médica especial. A novidade integra parte de um acordo selado pelas empresas para o desenvolvimento e comercialização do produto em outros 17 países. Entre eles, Argentina, Bolívia, América Central e Caribe – Belize, Costa Rica, República Dominicana, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá -, Colômbia, Equador, México, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela. O Brasil acaba de ser escolhido como outro ponto comercial, aumentando a presença do produto na América Latina.

Segurança cardiovascular

Um estudo realizado em 12.000 pacientes obesos ou com sobrepeso que apresentavam doença cardiovascular ateroesclerótica ou múltiplos fatores de risco como hipertensão e diabetes, por exemplo, comprovou a segurança cardiovascular do tratamento com a lorcaserina. O estudo constatou que o tratamento a longo prazo  não aumenta a incidência de MACE. MACE se relaciona a Eventos Cardiovasculares Adversos Maiores, incluindo infarto do miocárdio, derrame e morte cardiovascular. Assim, o objetivo de segurança primário do estudo foi atendido.

Também foi demonstrado uma melhoria em vários fatores de risco cardiovascular, incluindo pressão arterial, lipídios, glicemia e função renal. O tratamento com lorcaserina diminui ainda o risco de incidência de diabetes e induz a remissão da hiperglicemia. Além disso, reduz o risco de complicações microvasculares em pacientes com excesso de peso. Tudo isso apoia o papel da lorcaserina como adjuvante da modificação do estilo de vida. Isso não só para o controle crônico do peso, como também da saúde metabólica.

Tolerabilidade e eficácia

De acordo com a Eurofarma, a lorcaserina apresenta baixa incidência de eventos adversos. Os mais comumente relatados em pacientes sem diabetes foram cefaleia, tontura, fadiga, náusea, boca seca e constipação. Ademais, em pacientes diabéticos, hipoglicemia, dor de cabeça, dor nas costas, tosse e fadiga foram relatados.

Existem diversas evidências do benefício da lorcaserina na perda de peso. Por exemplo, um estudo demonstrou que os pacientes que usaram este medicamento tiveram o dobro de chances de perda de 5% do peso corporal. Este resultado representa uma média de perda de peso de 5,8 Kg em um ano.

Novos medicamentos são esperança contra obesidade

Deixe um comentário