Destaques & lançamentos

Exame de sangue poderá prever depressão na gravidez

Estudo publicado na revista Nature mostrou que a inflamação na gestação pode afetar o humor e o comportamento

A depressão durante e após a gravidez afeta até 20% das mulheres grávidas. Um novo estudo, publicado no final de janeiro, no periódico Translational Psychiatry, publicação da revista Nature destaca que é possível prever o risco de depressão na gravidez por meio de um exame de sangue.

“À medida que a gravidez avança, o sistema imunológico muda para facilitar o desenvolvimento fetal, levando a flutuações distintas na produção de fatores pró-inflamatórios e interferindo nos níveis de triptofano, um aminoácido essencial (que o corpo não consegue produzir) e ligado ao combate da depressão e ansiedade. Portanto, é possível que a depressão na gravidez possa constituir um tipo específico de depressão induzida por inflamação, o que afetaria o humor e o comportamento”, explica, então, o ginecologista obstetra e especialista em Reprodução Humana, Membro da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e diretor clínico da Neo Vita, Dr. Fernando Prado.

“Esses marcadores de inflamação estão presentes no sangue, o que pode, então, ajudar na rápida identificação e intervenções mais precoces para a melhora da saúde mental da gestante”, completa o médico.

Nível de depressão

De acordo com o estudo, os sinais de inflamação no sangue predizem e identificam de forma confiável a depressão grave na gravidez.

A análise da equipe estabeleceu um conjunto de 15 marcadores biológicos encontrados no sangue que podem prever se as mulheres grávidas apresentarão sintomas depressivos significativos com 83% de precisão.

“As descobertas podem dar aos médicos uma ferramenta muito necessária para identificar mulheres que podem estar em risco de depressão e adequar melhor seus cuidados durante a gravidez”, diz, portanto, o médico.

Quase uma em cada cinco novas mães sofre de depressão grave durante ou após a gravidez e estima-se que 14% têm pensamentos suicidas.

“A inflamação pode levar ao agravamento dos sintomas depressivos, e a gravidez é um importante evento inflamatório”, completa o médico.

De acordo com os pesquisadores, a depressão não é apenas algo que acontece no cérebro – suas impressões digitais estão em todo o corpo, inclusive em nosso sangue.

“A capacidade de prever a depressão relacionada à gravidez e sua gravidade será um divisor de águas para proteger a saúde das mães e seus bebês. As descobertas são um importante salto em direção a esse objetivo”, diz, então, o especialista.

O estudo está entre os primeiros de seu tipo e acompanhou 114 voluntárias das Clínicas de Obstetrícia e Ginecologia da Spectrum Health durante toda a gravidez.

As participantes forneceram amostras de sangue e foram submetidas a avaliações clínicas para sintomas depressivos em cada trimestre e no período pós-parto.

Estudos

Por fim, o ginecologista diz que mais estudos precisam ser realizados para confirmar os achados recentes, incluindo outros biomarcadores como neopterina (um marcador de resposta imune), cortisol (hormônio do estresse) e citocinas (mediadores inflamatórios) adicionais, que também podem ser testados para determinar se a precisão da previsão pode ser melhorada ainda mais.

Depressão atinge mais brasileiros do que diabete, diz estudo 

Fonte: médico ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana, Dr. Fernando Prado.

Foto: Shutterstock

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário