Exclusivo: Como funcionam os adesivos de nicotina vendidos em farmácia?

Parar de fumar nem sempre é fácil. Saber orientar o paciente sobre como funcionam os adesivos de nicotina é essencial

A nicotina leva entre sete e 19 segundos para chegar ao cérebro. É normal, portanto, que, ao parar de fumar, os primeiros dias sem cigarros sejam os mais difíceis, porém as dificuldades tendem a ser menores com o tempo.

Um dos tratamentos recomendados para diminuir a abstinência é a administração da própria nicotina por meio de adesivo transdérmico.

Ao contrário do cigarro, que promove um pico de alta concentração de nicotina no sangue e no cérebro, a nicotina presente no adesivo é liberada lentamente e se mantém estável ao longo do dia.

De acordo com o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do Ministério da Saúde (MS), o uso de adesivos de nicotina deve considerar:

  • 1 mg de nicotina para cada cigarro fumado, não ultrapassando a dose de 42 mg/dia.
  • Para quem fuma até cinco cigarros/dia: não é indicado o uso de adesivo, mas iniciar com goma ou pastilha.
  • De seis a dez cigarros/dia: adesivo de 7 mg/dia.
  • de 11 a 19 cigarros/dia: adesivo de 14 mg/dia.
  • 20 ou mais cigarros/dia: adesivo de 21 mg/dia.
  • Acima de 20 cigarros diários, é possível fazer o uso associado de adesivos.
  • De 20 a 30 cigarros: adesivo de 21 mg e adesivo 7 mg/dia.
  • De 30 a 40 cigarros combinar um adesivo de 21 mg com outro de 14 mg/dia.
  • Acima de 40 cigarros: dois adesivos de 21 mg/dia.

Para iniciar o tratamento, é fundamental que o paciente entre em contato com o médico para iniciar o melhor protocolo para cada caso.

Dia mundial sem tabaco: uso da substância implica em problemas no sono

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

Deixe um comentário