Farmacêuticos têm papel fundamental na farmacovigilância e na segurança do paciente

Em 20 de janeiro é comemorado o dia desse profissional fundamental para a promoção da saúde na sociedade

Comemorado no Brasil em 20 de janeiro, o Dia do Farmacêutico reforça a atuação desse profissional de saúde.

Além de ser especializado em desenvolvimento, manipulação e controle de medicamentos, o farmacêutico tem papel fundamental na orientação do paciente quanto ao cuidado com a sua saúde.

A relação do farmacêutico com o paciente

A atuação do farmacêutico engloba desde orientações adicionais sobre o tratamento prescrito pelo médico, como indicação, via de administração, posologia e eventos adversos, até questões práticas como onde armazenar os medicamentos.

Por meio de sua atuação, o profissional contribui para garantir o bom uso dos medicamentos e reduzir erros de medicação, aumentando a segurança e qualidade de vida do paciente.

“Em um país como o nosso, em que o acesso universal aos serviços de saúde ainda é um desafio, muitas vezes é o farmacêutico quem cumpre o papel de fazer a primeira orientação do cidadão sobre o cuidado com a sua saúde. Além disso, ele também monitora e informa qualquer evento adverso observado no uso de medicamentos, somando seus esforços aos dos outros profissionais de saúde na farmacovigilância”, ressalta a Gerente de Segurança do Paciente e Farmacovigilância da Boehringer Ingelheim do Brasil, Lara Rodrigues.

Atividades que envolvem a farmacovigilância

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a farmacovigilância inclui “atividades relativas à identificação, avaliação, compreensão e prevenção de eventos adversos ou quaisquer problemas relacionados ao uso de medicamentos”.

E qualquer efeito desagradável durante o tratamento com algum medicamento que seja relatada pelo paciente é considerada um evento adverso.

Estes eventos podem ser os mais diversos desde alterações de humor, prisão de ventre ou dor de cabeça observados após a ingestão de um medicamento.

Os eventos adversos, bem como a falta de eficácia terapêutica, intoxicação por erros de dosagem e desvios de qualidade, como mudanças de coloração, odor, sabor e/ ou turbidez, devem ser comunicados para as autoridades sanitárias e/ou os fabricantes.

Todas as notificações são analisadas e, dependendo da gravidade e da frequência, podem gerar medidas de minimização de risco como alterações na bula, por exemplo.

A farmacovigilância foi criada para garantir o bom uso, a segurança e a eficácia dos medicamentos, fatores que são comprovados nos estudos clínicos.

Para Lara Rodrigues, uma das principais ferramentas da farmacovigilância é a notificação espontânea por parte dos profissionais de saúde.

“Notificar os órgãos sanitários competentes, bem como o laboratório fabricante, das suspeitas de reações adversas; erros de medicação, superdosagem, voluntárias ou não e abuso de medicamentos observados e registrados durante o desempenho das atividades é de extrema importância e é responsabilidade de cada um de nós contribuir com a segurança e a saúde de todos”, finaliza.

Homenagem ao Dia do Farmacêutico 

Fonte: Boehringer Ingelheim

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário