Farmácias escapam da crise e iniciam novo ciclo de aberturas

Uma maior preocupação das pessoas com a própria saúde deve sustentar a velocidade de aberturas de lojas e elevar a taxa de crescimento das vendas

farmácias aberturas Com quase 90 mil farmácias no País, o Brasil deve voltar a viver um novo ciclo de investimentos no setor após 2021.

Mesmo nesse ambiente de incertezas no mercado de consumo, a demanda segue acelerada.

Maior preocupação das pessoas com a própria saúde e as ofertas recordes de ações em 2020, que levaram a um aumento de liquidez, devem sustentar a velocidade de aberturas de pontos e elevar a taxa de crescimento das vendas.

A projeção é de um saldo final positivo, entre inaugurações e fechamentos, de cerca de 900 unidades no país neste ano, maior volume desde 2018, de acordo com a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), entidade que reúne as maiores cadeias. É mais que o dobro do ano passado – em 2020, o saldo foi de 400 pontos.

O total passaria de 8,3 mil lojas das redes associadas para 9,2 mil entre 2020 e 2021. A associação responde por quase metade das vendas em drogarias no país.

O ritmo de expansão em 2021 deve superar 2020, com aceleração mais forte em dois a três anos, quando as unidades abertas devem alcançar a maturidade. Em 2020, a expansão no faturamento foi de 8,8%, de acordo com a entidade.

Aberturas de farmácias

Ainda de acordo com a Abrafarma, com a demanda gerada com as 900 lojas abertas, as vendas terão expansão em torno de 10% após a maturação completa das unidades.

Há regiões, no entanto, em que o amadurecimento ocorre entre ano e meio e dois anos.

Pelo cálculo de Barreto, considerando que uma loja madura faz ao mês, em média, R$ 7 milhões em vendas, com as 900 farmácias chegando nesse nível serão pouco mais de R$ 6 bilhões ao longo de 12 meses.
Esse montante equivale a uma alta de 10% na receita do setor: “Isso é venda a mais apenas com as aberturas, ainda temos o crescimento natural do mercado”.

Projeções para 2021

Para 2021, o executivo deixa algumas projeções em aberto.

Diz que se for repetido esse índice de quase 9% de alta, e as novas lojas entregarem a metade de seu potencial de crescimento, então o setor alcançaria aumento de 14% no faturamento no ano.

Esse índice está no mesmo patamar de 2013, quando as associadas cresceram 13,8% – o segundo melhor ano da década no setor.

Para p presidente da Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácia (Febrafar), Edison Tamascia, que reúne redes associativas e independentes, houve explosão de vendas em março e abril no setor, seguida por acomodação por causa do isolamento social.

Mas a aceleração ganhou força após o terceiro trimestre. “Crescemos 24,4% em 2020, acima do mercado e de 2019 (alta de 17%). Mas dificilmente vamos repetir esses 24% em 2021”, afirma.

“Atendemos à demanda de bairro que subiu com o ‘home office’ e isso não deve manter o mesmo ritmo. E na periferia, o auxílio emergencial ajuda, e ele não foi renovado”, diz.

O que diz o Grupo Dimed

De acordo com o presidente do Grupo Dimed, controlador da rede gaúcha Panvel, Julio Mottin Neto, houve um aumento de vendas na segunda metade de 2020, de medicamentos que tiveram mais demanda com o retorno das cirurgias e consultas. Isso ocorreu nas lojas sem queda nas vendas no on-line. O braço digital passou de 10% das vendas em 2019 para 18% hoje.

Houve maior aceleração na demanda de outubro a dezembro, em relação ao trimestre anterior, com vendas voltando a crescer dois dígitos, disse.

A empresa fez uma oferta de ações em julho de R$ 480 milhões. Antes disso, abria cerca de 40 a 45 lojas ao ano.
Para 2021, a projeção é de 65 inaugurações, metade no Rio Grande do Sul e o restante nos Estados do Paraná, de Santa Catarina e São Paulo. O grupo tem 475 pontos.
Pague Menos aposta no essencial

Na avaliação de Luiz Novais, diretor vice-presidente financeiro da Pague Menos, mesmo com o recente aumento do desemprego, e projeções de que essa taxa demore a ceder, o setor é mais resiliente que outros, por ser considerado essencial.

“Não abrimos lojas em 2020, mas estamos retomando isso neste ano. Como informamos no nosso IPO [oferta pública de ações, em agosto], 63% dos recursos vão para abertura”, disse, sem informar projeção de inaugurações. A empresa levantou cerca de R$ 750 milhões na oferta.

“De acordo com dados da Iqvia, a receita do setor cresce 9,5% em 2021; alta que deve refletir expansão não só na venda de produtos, mas de serviços, como vacinação e exames. Vemos uma manutenção da preocupação das pessoas com saúde”, afirma.

Em 2020, a empresa fez 260 mil testes de Covid-19 nas lojas. Cerca de 70% das vendas é de medicamentos.

Fonte:  SBVC

Foto: Shutterstock

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário