Faturamento das farmácias cresce 7,74% no primeiro semestre

Varejistas do setor movimentaram R$ 27,4 bilhões entre janeiro e junho, contra R$ 25,4 bilhões do mesmo período em 2019

As farmácias registraram um crescimento de 7,74% nas vendas do primeiro semestre de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado. As lojas do setor movimentaram R$ 27,4 bilhões entre janeiro e junho, contra os R$ 25,4 bilhões de 2019. Os dados foram compilados pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (FIA-USP) e divulgados com exclusividade ao Estadão pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), cujas afiliadas respondem por 45% das vendas de medicamentos no varejo do País.

Em termos de aceleração, porém, as varejistas farmacêuticas praticamente voltaram ao ritmo de 2018. Se no ano passado, o setor apresentou uma variação positiva de 9,7% em relação a 2018; esse mesmo setor apresentou uma variação de 7,54% na comparação entre 2017 e 2018. A Abrafarma acredita que a desaceleração se deu porque muitas das farmácias estão em áreas afetadas pelas políticas de isolamento social, como áreas com concentração de escritórios e shoppings. “Perderam vendas para farmácias de periferia das cidades”, disse por nota o CEO, Sergio Mena Barreto.

Os MIPs e OTCs – que são, respectivamente, medicamentos isentos de prescrição e remédios disponíveis nos balcões (over the counter, na sigla em inglês) – foram os que mais puxaram o resultado do semestre para cima, com um faturamento 20,79% maior que no mesmo período do ano passado.

Faturamento das farmácias

“Os consumidores se deram conta que pacientes com comorbidades correm maior risco de óbito por covid-19. Como legado da crise, esperamos que haja mais consciência por parte do usuário crônico de que é importante manter seu tratamento em dia”, disse Barreto sobre os resultados positivos em meio ao caos econômico generalizado e completou dizendo que suplementos e vitaminas tiveram grande procura em março e abril.

Em segundo lugar, estão as vendas de medicamentos gerais, que cresceram pouco mais de 9%. E a venda de genéricos cresceu 8%. Já os itens de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos registraram uma evolução de 4,91%.

Apesar de o desemprego ter subido para 13,3% no 2º trimestre, de acordo com dados divulgados na quinta-feira, 6, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor farmacêutico ainda emprega 0,68% a mais que ano passado. Atualmente, são 130.317 funcionários, cuja maioria é formada por farmacêuticos, contra os 129.432 empregados no setor no mesmo período do ano passado.
Maiores redes

De acordo com a Abrafarma, a Raia Drogasil é a associada líder em faturamento no varejo há 9 anos. Neste ano, é seguida pelo Grupo DPSP, dono das redes Pacheco e Drogaria São Paulo, e Farmácias Pague Menos.

O presidente do DPSP, Marcelo Doll, disse por nota que, desde o início da pandemia do coronavírus, o grupo implementou ações prestando atenção na jornada completa do cliente. “Um dos exemplos é o serviço de delivery para a vizinhança, para que ele não precisasse sair de casa no período de isolamento social; e a adoção de prescrição eletrônica em todas as nossas lojas”, disse ele, complementando que o e-commerce da rede cresceu quase quatro vezes no período.

Faturamento do comércio eletrônico paulista avança 15,6% no primeiro trimestre 

Foto: Shutterstock

Fonte: Terra

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário