Fiocruz alerta para agravamento de diversos indicadores da pandemia ao mesmo tempo pela 1ª vez

Fundação cita a alta positividade de testes e a sobrecarga dos hospitais e defende medidas mais rigorosas de restrição da circulação e das atividades não essenciais

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) publicou edição especial do Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19 com um alerta de que, pela primeira vez desde o início da pandemia, verifica-se em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos e de mortes, a manutenção de níveis altos de incidência de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG), a alta positividade de testes e a sobrecarga dos hospitais.

Com base nisso, os pesquisadores da fundação defendem medidas mais rigorosas de restrição da circulação.

E também das atividades não essenciais, de acordo com a necessidade epidemiológica de cada região.

A fundação ressalta que, no momento, 19 Estados apresentam taxas de ocupação de leitos de UTI acima de 80% – no boletim anterior eram 12.

“O cenário alarmante, segundo a análise, representa apenas a ponta do iceberg de um patamar de intensa transmissão no país. Diante disso, os pesquisadores acreditam, então, ser necessária a adoção de medidas não-farmacológicas mais rigorosas”, diz a nota divulgada pela Fiocruz.

Assim, o boletim apresenta um conjunto de dados sobre casos, óbitos e taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no país – relativos ao Sistema Único de Saúde (SUS)– verificados em 1º de março, em contraponto aos observados em 22 de fevereiro.

“Este crescimento rápido a partir de janeiro, de acordo com a investigação, é o pior cenário em relação às taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos em vários Estados e capitais, que concentram a maior parte dos recursos de saúde e as maiores pressões populacionais e sanitárias que envolvem suas regiões metropolitanas”, ressalta a Fiocruz.

Medidas mais rigorosas

A entidade defende a adoção de medidas mais rigorosas de restrição da circulação.

E também das atividades não essenciais, de acordo com a situação epidemiológica e capacidade de atendimento de cada região.

“Avaliadas semanalmente a partir de critérios técnicos como taxas de ocupação de leitos e tendência de elevação no número de casos e óbitos.”

Brasil registra 1.726 mortes em 24 horas e bate novo recorde na pandemia

Fonte: Valor Investe

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário