fbpx

Gestora de saúde cresce com adesão ao tratamento

Para 2018, ePharma planeja movimentar R$ 1,4 bilhão, alta de 12% em relação a 2017

A crescente preocupação das empresas com a saúde de seus funcionários  movimenta o mercado de gestão de saúde e de assistência farmacêutica, um conceito internacionalmente conhecido como Programa de Benefícios de Medicamento (PBM). Pioneira nesse segmento de alta demanda, a ePharma comemora os resultados financeiros até o terceiro trimestre do ano.

Entre janeiro e setembro deste ano, a empresa faturou R$ 869 milhões, um aumento de 8% sobre o mesmo período de 2017. Para 2018, a projeção é movimentar R$ 1,4 bilhão, um valor 12% superior ao do ano passado. Para o presidente Luiz Carlos Silveira Monteiro (foto abaixo), a performance é explicada pelo processo de reestruturação dos negócios da companhia, que ampliou e fortaleceu seu rol de soluções.

“Lançamos o plano de benefício de medicamentos pré-pago que estabelece valores fixos mensais para a cobertura dos medicamentos prescritos aos funcionários e seus dependentes de pequenas e médias empresas, com até mil colaboradores. A cobertura chega a 98% das doenças tratáveis em ambulatório. O modelo possibilita à empresa ter uma previsão orçamentária e ainda reduzir custos globais em saúde, o que atraiu a atenção deste público”, avalia o executivo.

Além do incremento dos programas de (PBM), a empresa criou a unidade de negócios Specialty Care, que promove o acompanhamento de todas as etapas que envolvem a jornada de pacientes em tratamento de doenças crônicas, raras ou de alta complexidade, auxiliando os programas de suporte mantidos pela indústria farmacêutica.

Por meio da divisão, a ePharma reforça vínculos com laboratórios farmacêuticos e operadoras de saúde, ao facilitar o acesso dos brasileiros a medicamentos para doenças raras e complexas. “Mensalmente, a área monitora cerca de 70 mil pacientes e autoriza mais de 8 mil procedimentos, valendo-se da estrutura de 1,5 mil clínicas e laboratórios de diagnósticos credenciados”, assinala Monteiro.

De acordo com Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM, o País é responsável pela dispensação de 300 mil caixas de medicamentos e a projeção é de que o número cresça 15% até 2023. O volume atual representa 10% do mercado farmacêutico nacional. Nos últimos 12 meses, a ePharma dispensou 25.631 mil caixas por meio de sua rede credenciada com 27.061 farmácias espalhadas por 2.831 municípios.

Fundada em 1999, a ePharma é referência no gerenciamento de programas de benefícios de medicamentos (PBM) no Brasil, estando conectada nacionalmente a 27 mil farmácias, 1.500 clínicas médicas e laboratórios de diagnóstico. É parceira do programa Aqui tem Farmácia Popular. Nos últimos anos, vem diversificando sua atuação por meio de cinco unidades de negócios, trazendo novas soluções em assistência farmacêutica, gestão de saúde populacional e acompanhamento de pacientes que utilizam medicamentos de uso contínuo e de alto custo. Tem como clientes a indústria farmacêutica, operadoras de saúde e empresas de variados portes.

Fonte: Guia da Farmácia

Fotos: Shutterstock/ divulgação ePharma

Sobre o autor

Guia da Farmácia

Premiado pela Anatec na categoria de mídia segmentada do ano, o Guia da Farmácia é hoje a publicação mais conhecida e lembrada pelos profissionais do varejo farmacêutico. Seu conteúdo diferenciado traz informações sobre os principais assuntos, produtos, empresas, tendências e eventos que permeiam o setor, além de Suplementos Especiais temáticos e da Lista de Preços mais completa do mercado.