Cólica menstrual: ginecologistas explicam as causas

Dismenorreia atinge aproximadamente 65% das mulheres

Cerca de 65% das brasileiras sofrem com cólica menstrual e 70% observam uma queda na produtividade durante a menstruação, de acordo com um estudo realizado pela empresa MedInsight.

Os ginecologistas do Hospital Samaritano, Dr. Edison Ogeda; da Rede de Hospitais São Camilo, Dra. Cíntia Pereira; e do Hospital Sírio-Libanês, Dr. Eduardo Vieira da Motta, explicam porque o problema é tão comum.

O que causa a cólica menstrual?

Igualmente chamada também de dismenorreia, a cólica tem início com os ciclos menstruais ovulatórios, por volta de dois anos após a primeira menstruação.

Em princípio, durante o período fértil – fase do mês em que a mulher está ovulando e que dura cerca de seis dias – há liberação de prostaglandina, substância que promove a contração do útero para a eliminação do sangue menstrual. Esse movimento causa a dor.

Por que algumas mulheres sentem mais dor?

Na adolescência, as dores costumam serem maiores, principalmente nos primeiros anos após o início da menstruação.

Isso acontece, pois os ovários amadurecem e passam a liberar um óvulo por mês, mas o útero ainda é pequeno e o orifício da saída, mais fechado.

Na fase adulta, algumas mulheres usam absorventes intravaginais, que atrapalham a contração uterina ou têm sensibilidade à prostaglandina, o que pode aumentar a dor.

Depois da primeira gravidez, as dores costumam a diminuir devido a alterações na musculatura do útero.

A cólica menstrual pode ser sintoma de doenças?

Se a dor piorar e for persistente, pode ser indício de uma doença mais séria, como pólipos, mioma uterino e endometriose.

Segundo um levantamento da Fundação Mundial de Pesquisas em Endometriose, existe um tempo médio de sete anos entre os primeiros relatos dos sintomas, como pontadas no ventre e dificuldade para engravidar até a confirmação da disfunção.

Quais as maneiras de aliviar a dor?

O alívio – no caso de não haver nenhuma doença – pode ser por meio de medicamentos anti-inflamatórios não hormonais, contraceptivos hormonais, dispositivos intrauterinos ou medicamentos hormonais, que podem levar a mulher a ficar sem menstruar.

Como evitar a dor?

A prática de atividades físicas ou fisioterapia regularmente para fortalecer a musculatura do baixo ventre, aumentar a produção de endorfina e reduzir o fluxo menstrual e os processos inflamatórios é a maneira mais eficaz.

Ter uma dieta rica em fibras e vegetais, vitaminas B1, B6 e E, além de gorduras boas proveniente dos peixes, também contribui.

No período pré-menstrual, é aconselhável tomar bastante líquido e evitar a ingestão de café, chocolates e refrigerantes à base de cola – já que a cafeína contrai os vasos do endométrio.

Fonte: Bol
Foto: Shutterstock

Atroveran apresenta solução em adesivo para cólicas menstruais

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

2 Comentários

  1. Muito bom! Me ajudou muito a entender esse processo pelo qual eu estou passando de dores. E saber que tem alimentos que mais eu como e bebo ajudar a aumentar a dor.
    Muito obrigada!

Deixe um comentário