Governo de SP reduz intervalo da dose de reforço contra Covid-19 de 5 para 4 meses

A medida vale para quem tomou duas doses dos imunizantes do CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

O governo do estado anunciou nesta quinta-feira (2) a redução de 5 para 4 meses o intervalo para aplicação da dose adicional da vacina contra a Covid-19 em São Paulo.

A decisão ocorre em meio às primeiras confirmações de casos da variante ômicron no Brasil.

A medida vale para quem tomou duas doses dos imunizantes do CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer, e vai beneficiar cerca de 10 milhões de pessoas que se vacinaram nos meses de julho e agosto.

Para a decisão, o Comitê Científico do Coronavírus da gestão estadual considerou os três casos da variante ômicron em São Paulo.

Para os integrantes do comitê, como o Brasil ainda não obriga a apresentação de comprovante do esquema vacinal completo para viajantes, a medida faz-se necessária já que o estado “o estado é a porta de entrada de pessoas de todo o mundo“.

O comitê também considerou a proximidade das festas de fim de ano.

“O estado tem hoje condições logísticas e técnicas de ampliar a vacinação e reduzir o intervalo de aplicação das doses para que todos possam estar ainda mais protegidos. Vale ressaltar também a necessidade de quem não tomou ainda a segunda dose, retorne aos postos de saúde para se imunizar”, afirmou o secretário de Estado da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn.

Na capital, a redução do intervalo já será seguida a partir desta quinta, de acordo com Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde.

Demais cidades tem liberdade para definirem o intervalo da dose de reforço

Já as outras cidades devem definir quando começam a aplicar a dose de reforço com um intervalo menor.

Desde terça-feira (30), qualquer pessoa maior de 18 anos que tomou a vacina da Janssen há pelo menos dois meses, começou a ser vacinada com a Pfizer na cidade de São Paulo.

O governo tem autonomia para definir o esquema vacinal do estado.

Desde o início da pandemia, os estados e municípios têm adotado calendários diferentes do Plano Nacional de Imunização (PNI) e aplicando a vacina contra a Covid-19 conforme as suas regras.

Calendário anual

Ainda não está definido se a vacina da Covid-19 entrará no calendário anual de vacinação.

Pelos mesmos motivos dados para a redução do intervalo da dose extra, o governo, então, voltou atrás e manteve a obrigatoriedade do uso de máscaras.

A administração estadual previa flexibilizar o uso de máscaras em ambientes externos no dia 11 de dezembro.

Nesta quinta (2), no entanto, a gestão de João Doria também recuou e desistiu de liberar a população do uso de máscaras ao ar livre.

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário