Governo faz acordo, e farmacêuticas deverão recolher medicamentos sem uso em SP

Medicamentos vencidos e sem uso serão recolhidos e descartados, ampliando a chamada logística reserva em que, além de colocar no mercado, as empresas devem recolher o que sobra e descartar adequadamente

Farmácias, fabricantes, distribuidores e importadores de remédios no estado de São Paulo vão recolher e descartar remédios vencidos e sem uso, de acordo documento assinado junto ao Ministério Público de São Paulo, a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente de São Paulo e a Companhia Ambiental de São Paulo (Cetesb) na última terça-feira (16).
O acordo com o Governo de SP,  foi assinado por associações que envolvem desde representantes da indústria farmacêutica até as empresas de distribuição e redes de farmácias.
O processo amplia a chamada logística reversa, em que, além de colocar no mercado, as empresas ficam também responsáveis também por recolher o que sobra e descartar adequadamente.
“Em 2010, o Brasil era o 10º maior mercado mundial de medicamentos. Em 2021, está em 5º lugar. Houve um crescimento muito grande de mercado e precisamos pensar no descarte, diz a diretora-presidente da Cetesb, Patrícia Iglecias.
“Quando a população descarta um medicamento sem uso ou vencido no vaso sanitário ou na pia, pode causar uma contaminação da água. São produtos químicos. Dependendo do remédio, pode envolver até hormônios. É um problema ambiental e de saúde”, diz ela.

Função das farmácias para recolher remédios sem uso

Pelo acordo, as farmácias deverão disponibilizar recipientes para que a população faça o descarte desses medicamentos e suas embalagens.
As empresas fabricantes e importadoras de remédios ficarão responsáveis também pelo transporte dos medicamentos e embalagens até os locais de tratamento e descarte final desses produtos.
Essa destinação final varia de acordo com o tipo de remédio, mas pode envolver até incineração, explica Iglecias.

Custos

Os custos envolvidos de transporte e descarte final serão divididos proporcionalmente entre as fabricantes e as importadoras, considerando, portanto, a participação no mercado varejista.
Elas também deverão criar um sistema informatizado para registrar e divulgar dados sobre quantidade de resíduos coletados –Iglecias afirma que não há dados sobre o volume que esse descarte representa hoje.
O acordo atinge todos os municípios com mais de 200 mil habitantes no estado de SP, o que inclui a capital e outras 40 cidades (são 645 municípios no estado).
Todavia, a previsão é que as empresas criem um ponto de coleta para cada 10 mil habitantes.
Até o fim de setembro, todos os 2.852 pontos deverão estar implementados.
Assim, a medida representa um avanço em relação à política federal de 2010 mas regulamentada por decreto apenas no ano passado (e que ainda não entrou em vigor), que estabelece esse sistema de coleta, transporte e destinação final apenas nas capitais e cidades com mais que 500 mil habitantes.
Por esse sistema federal, apenas nove cidades em SP seriam contempladas na cadeia da logística reversa, diz Iglecias.
O acordo vai vigorar até 31 de dezembro de 2022, e pode ser prorrogado.
De acordo com Iglecias, os pontos de coleta devem ser disponibilizados à população já a partir de março.
Para incentivar o descarte correto, o acordo prevê a veiculação de campanhas publicitárias que orientem a população.
Fonte: Jornal de Jundiaí
Foto: Shutterstock
Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário