Grávidas e puérperas deverão receber dose de reforço da Pfizer

Em maio, o ministério suspendeu o uso da AstraZeneca em ambos os grupos a pedido da Anvisa

O Ministério da Saúde (MS) orienta que grávidas e puérperas (mulheres até 45 dias pós parto) devem tomar uma dose de reforço da vacina contra a Covid-19 da Pfizer, independente do imunizante que tenham recebido anteriormente.

Com a decisão da pasta, já publicada em nota técnica, a dose está liberada para todas as pessoas a partir de 18 anos que concluíram o ciclo de imunização com Pfizer, AstraZeneca ou Coronavac há pelo menos cinco meses.

Em maio, o ministério suspendeu o uso da AstraZeneca em ambos os grupos a pedido da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Uma grávida de 35 anos por Acidente Vascular Cerebral (AVC) morreu após tomar a primeira dose da AstraZeneca e o feto de 23 semanas também não resistiu.

Como a Janssen usa a mesma tecnologia dessa vacina — vetor viral —, também não deve ser usada nessas mulheres.

O primeiro lote do imunizante, contudo, só chegou ao Brasil em junho, um mês após a suspensão.

Já para a população geral, há a exceção de que as pessoas devem receber outra dose do mesmo imunizante.

Com intervalo mínimo, portanto, de dois meses, antes do reforço.

Fonte: Folha de Pernambuco

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário