GSK e Pfizer anunciam fusão para medicamentos sem receita

Expectativa é de que o acordo seja fechado no segundo semestre de 2019

A GlaxoSmithKline – GSK e Pfizer estarão entrando em uma joint venture, reunindo seus negócios de saúde do consumidor em uma única entidade. As vendas combinadas das duas companhias totalizaram, hoje, US$ 12,7 bilhões em 2017. “Temos o prazer de anunciar esta nova joint venture para a Pfizer Consumer Healthcare, cumprindo nosso compromisso de concluir a revisão estratégica para este negócio em 2018”, disse o presidente e CEO da Pfizer, Ian Read. “A Pfizer e a GSK têm um excelente histórico de criação de colaborações bem-sucedidas, e estamos ansiosos para trabalhar juntos novamente para liberar o potencial de nossos negócios combinados de saúde do consumidor”.

A GSK e a Pfizer observaram que a transação de todos os patrimônios – da qual a GSK terá participação acionária de 68% e a Pfizer terá 32% de participação acionária – teria uma participação global no mercado de balcão de 7,3%, liderando o mercado na maioria das áreas geográficas incluindo os Estados Unidos e a China. As marcas que seriam incluídas abrangem categorias como alívio da dor, saúde respiratória, suplementos vitamínicos e minerais, saúde digestiva e saúde bucal.

O CEO da GSK Consumer Healthcare, Brian McNamara, será o CEO da joint venture, com o CFO da GSK Consumer Healthcare atuando como CFO. A CEO da GSK, Emma Walmsley, será presidente. A Pfizer poderá nomear três diretores para o conselho de nove pessoas da joint venture. “Por meio da combinação dos negócios de saúde ao consumidor da GSK e da Pfizer, criaremos um valor adicional substancial para os acionistas”, disse Walmsley. “Ao mesmo tempo, os fluxos de caixa incrementais e a visibilidade da separação pretendida ajudarão a suportar o futuro planejamento de capital da GSK e o investimento adicional em nosso portfólio de produtos farmacêuticos”, disse.

Como parte do acordo, a GSK planeja separar a joint venture dentro de três anos após o fechamento por meio de uma cisão de sua participação acionária, listando a GSK Consumer Healthcare no mercado acionário do Reino Unido. Isso criará duas empresas – uma focada na saúde do consumidor, a outra em produtos farmacêuticos e vacinas. “A transação também apresenta um caminho claro para a GSK criar uma nova empresa global de produtos farmacêuticos/vacinas, com uma abordagem de pesquisa e desenvolvimento focada em ciência relacionada ao sistema imunológico, uso de genética e tecnologias avançadas e nova empresa líder mundial em assistência ao consumidor ”, disse Walmsley.

Expectativas com a fusão

A GSK disse que espera uma economia anual de 500 milhões de libras até 2022 por um custo total esperado de £ 900 milhões e encargos não monetários de £ 300 milhões. Os custos em dinheiro serão pagos com cerca de £ 1 bilhão em receitas de desinvestimentos, e espera-se que um quarto das economias de custo sejam reinventados nos negócios.

A GSK espera que a transação aumente seus lucros totais no segundo ano após o fechamento, refletindo o impacto do timing e dos custos da integração, com expectativas de que ela aumentará os ganhos ajustados e o fluxo de caixa livre no primeiro ano após o fechamento. A Pfizer espera ver US$ 650 milhões em sinergias de custo máximo, com a expectativa de um leve aumento nos primeiros três anos após o fechamento da transação.
A transação está sujeita à aprovação dos acionistas da GSK e à aprovação de certas autoridades antitruste. A GSK disse que espera que o acordo seja fechado no segundo semestre de 2019.

Fonte: Drug Store News

Foto: Shutterstock

Fusão cria quarta maior varejista do setor farmacêutico no mundo

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário