GSK implementa usina fotovoltaica no Rio de Janeiro

A energia solar será usada na fábrica da farmacêutica britânica, com uma estimativa de redução de 54 toneladas de emissão de CO2 ao ano

Alinhada à estratégia global em busca de maior ecoeficiência e sustentabilidade, a farmacêutica britânica GSK passa a operar uma usina fotovoltaica em sua sede, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

O Brasil é o primeiro país da América Latina a implementar o projeto que usa como recurso a energia solar no processo produtivo do site.

E faz parte de uma série de práticas de Environmental, Social and Governance (ESG), já adotadas, então, pela multinacional britânica pelo mundo.

São 760 painéis de captação de energia solar, totalizando 450 MWH/ano de potência, numa área de 2.350 m².
Nesta primeira fase, portanto, a estimativa é reduzir em 5% o consumo de energia elétrica e 54 toneladas de emissão de CO2 ao ano.
A energia gerada será utilizada, então, em processos de produção na fábrica da GSK no país.
Que produz produtos de saúde e medicamentos, destinados ao mercado nacional e latino-americano.
Ao todo, a GSK investe R﹩ 4 milhões na implantação da usina no Brasil.
“Reconhecemos a importância de investir em fontes renováveis de energia em benefício do planeta e da sociedade. Estamos em busca de aprimoramento e esperamos servir de exemplo para outras iniciativas sustentáveis”, afirma o presidente da GSK no Brasil, André Vivan.

O projeto

O projeto da usina fotovoltaica, iniciado em 2020, será implementado em fases em razão de suas proporções . Em agosto, foi concluída a primeira delas, apesar dos desafios da crise sanitária.
Nos próximos anos, o espaço para incorporar mais placas de captação será ampliado.
Gerando, dessa maneira, maior disponibilidade de energia limpa e também a redução significativa nos impactos ambientais.
A GSK já é reconhecida globalmente por ser uma das primeiras companhias do setor farmacêutico a definir, então, metas ambiciosas de mitigação de impactos ambientais.
Em uma década, a multinacional alcançou reduções de 34% nas emissões de gases do efeito estufa, de 78% no despejo de resíduos em aterros sanitários.

E também de 31% no consumo de água, sendo apontada, portanto, como umas das indústrias farmacêuticas com melhor desempenho da área pelo Dow Jones Sustainability Index 2020.

Energia renovável produzida pela usina fotovoltaica da GSK

A multinacional também vem investindo num programa amplo cujos objetivos visam o uso de 100% de energia renovável.
De 100% de materiais de origem sustentável e a transição da frota de veículos da Força de Vendas por veículos elétricos.
Especialmente no país, além dos 100% de energia de fonte limpa até 2025, espera-se, certamente, uma redução de 20% no consumo de água.
E também emissões líquidas de Gases do Efeito Estufa (GEE) até 2030.
A saber, em 2020, a companhia já alcançou a marca de 95% de resíduos beneficiados por meio da reciclagem e compostagem.
E, em 2019, zerou, portanto, o envio de resíduos industriais para aterros sanitários.
Em sua sede no Rio de Janeiro, a GSK possui também uma área de 70 mil m² de mata atlântica preservada, resultado, portanto, de um plano de reflorestamento.
Foto: Shutterstock
Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário