Healthtechs brasileiras duplicam em 5 anos e movimentam o mercado de tecnologias voltadas à saúde

Setor de startups ligadas à saúde ganhou espaço rapidamente com a pandemia e tem boas perspectivas para 2021 como, por exemplo, podem se tornar uma alternativa para quem não tem plano de saúde

Os avanços tecnológicos vêm mudando a forma como as pessoas se relacionam, trabalham, estudam, divertem-se e cuidam da saúde.

De acordo com um relatório intitulado Distrito Healthtech Report Brasil 2020, da empresa de inovação aberta Distrito, o número de startups ligadas à saúde duplicou nos últimos cinco anos, saltando de 265 em 2015, para 542 em 2020.

Conhecidas como healthtechs (health, do inglês saúde, e tech, uma alusão à tecnologia), essas empresas vêm chamando a atenção pelo crescimento nos investimentos nesse período.

Assim, de 2014 até o início do ano passado, foram injetados cerca de US$ 430 milhões em 189 startups de saúde no mundo todo.

Já a Associação Brasileira de Startups (Abstartups) revelou, também, que o segmento da saúde é o terceiro maior em número de operações no país, atrás somente das áreas da educação e de finanças.

Mais do que isso, o Brasil é considerado, hoje, o maior mercado de saúde da América Latina e o sétimo no mundo todo.

Somente aqui, movimentam-se por volta de US$ 42 bilhões ao ano com cuidados à saúde privada.

As razões desse “boom”

Para especialistas, o crescimento das healthtechs está diretamente ligado ao movimento natural de expansão do mercado de startups.

Bem como às necessidades de introduzir e adaptar a tecnologia aos cuidados com a saúde.

Da digitalização de processos analógicos – como gestão e armazenamento de dados de prontuários e convênios médicos – ao atendimento virtual, as empresas vêm revolucionando o segmento.

A saber, durante a pandemia de Covid-19, o próprio Conselho Federal de Medicina (CFM) regularizou as teleconsultas no Brasil, a fim de evitar lotações nos hospitais e postos de saúde em todo o país.

Além disso, esse tipo de serviço tem sido visto com bons olhos no que tange à integração de informações, acompanhamento médico e redução de custos.

Isso tudo é possível a partir da Inteligência Artificial e também da criação de um sistema de dados competente.

Tendências e expectativas para Healthtechs em relação ás tecnologias para a área da saúde

Se até o início da pandemia a telemedicina sofria com a resistência de boa parte das pessoas, as mudanças provocadas pela Covid-19 no Brasil trazem, assim, boas perspectivas para as healthtechs a partir de agora.

Quebrando, então, as barreiras do preconceito em um setor tradicionalmente movido pelo conservadorismo.

Então, essa é a chance de as startups apostarem ainda mais nesse mercado.

De acordo com o levantamento, há seis tendências que devem direcionar as empresas do setor a partir desse ano:

  • Uso da nuvem para armazenamento e compartilhamento de informações.
  • Ciência de dados e análise preditiva.
  • Introdução de robótica avançada.
  • Realidade aumentada e virtual.
  • Utilização de drones.
  • Mudança nos modelos de negócio, apostando na experiência do cliente.

Opção mais barata e de qualidade

Em meio à crise econômica atual, os serviços de uma healthtech podem se tornar uma alternativa para quem não tem plano de saúde.

Devido, então, aos custos mais baixos, segurança e facilidade oferecidos por boa parte das empresas do ramo.

Além de todos os recursos de atendimento online, como consultas virtuais, agendamento de exames e orientação médica de qualidade durante 24 horas, algumas healthtechs disponibilizam, ainda, descontos em farmácias.

Fonte: Dino divulgador de notícia

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário