Hilab anuncia novo teste da Covid-19

Equivalente ao RT-PCR, o exame da Hilab fará o diagnóstico da Covid-19 a partir da saliva do paciente em 40 minutos

A Hilab vai lançar um teste molecular para Covid-19. Equivalente ao RT-PCR, o exame fará o diagnóstico a partir da saliva do paciente em 40 minutos e deverá chegar ao mercado até o fim do ano por menos de R$ 200,00 prevê o CEO e fundador Marcus Figueredo.

Desde março, a Hilab já testou 2 milhões de brasileiros para a Covid-19 por meio de exames sorológicos rápidos que chegaram às farmácias por R$130,00 (desde então, o preço foi reduzido para menos de R$ 100, de acordo com a companhia).

Aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o teste serviu de vitrine para a start-up e acabou levando a um rebranding: a start-up, que se chamava Hi Technologies, porém, assumirá agora o nome do seu principal serviço, chamando-se Hilab.

O próximo passo da companhia é fazer uma quarta rodada de investimentos e ampliar a atuação para o exterior. 

Equipamento portátil da Hilab realiza o teste da Covid-19

Diferentemente dos laboratórios tradicionais, o modelo da Hilab é baseado em um equipamento portátil no qual poucas gotas de sangue (ou amostras da saliva, no caso do teste molecular) do paciente são introduzidas.

O material coletado entra em contatos com reagentes dentro do aparelho, que digitaliza o comportamento da amostra e envia essas informações para a nuvem.

Na sede da start-up, cientistas analisam os dados para chegar a um resultado.

O processo é totalmente “verticalizado”: a Hilab produz tanto os reagentes como os equipamentos e presta o serviço de análise laboratorial.

“Desenvolvemos uma nova versão do equipamento, ainda mais compacto, para processar os testes moleculares. Ainda não temos uma resposta exata sobre o preço, mas queremos lançá-lo já abaixo de R$ 200. No mercado tradicional, o PCR está saindo na faixa de R$ 250,00. Nossa ideia é democratizar a biologia molecular” diz o CEO, engenheiro de computação pela PUC do Paraná que fez estudou a aplicação de inteligência artificial à saúde no mestrado e no doutorado.

Questionada sobre as autorizações regulatórias para o novo teste, a companhia disse, em nota, que “o nosso exame é uma metodologia própria (in house), desenvolvida e validada pelo nosso corpo técnico, e totalmente aderente à RDC 302/2005.”

O primeiro exame da Hilab foi o de gravidez, em 2017.

Deste então, a empresa ampliou o rol com testes para doenças transmissíveis (HIV e hepatite, por exemplo) e crônicas.

Exame disponível

De acordo com a empresa, os exames já são oferecidos em mais de 500 municípios em mais de 1 mil farmácias — em redes como Pague Menos, Panvel, Nissei, Drogaria Araújo e Promofarma — e mesmo em pequenos laboratórios parceiros.

A empresa tem 215 funcionários e deve fechar o ano com faturamento próximo a R$ 200 milhões, prevê Marcus Figueredo.

Desde 2016, a companhia já levantou cerca de US$ 16 milhões em capital junto a fundos como Positivo Tecnologia, Monashees e Qualcomm Ventures.

O último cheque, de US$ 10 milhões em uma rodada do tamanho Series B, entrou no início do ano, de acordo com Figueredo, trazendo dois novos sócios: Península (de Abílio Diniz) e Endeavor Catalyst.

A ideia era buscar um aporte Series C apenas no fim de 2021, mas os negócios deram um salto com a chegada da Covid-19, antecipando os planos.

Já estamos conversando com os fundos para fazer uma rodada substancialmente maior com o objetivo de promover consolidação de mercado e virar um laboratório maior. É difícil cravar um valor, mas provavelmente vamos buscar valores maiores que R$ 100 milhões. As health techs estão bastante em voga, e nós somos umas das mais maduras do mercado local” diz Figueredo.

Fonte: Globo Online

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário