Impacto do coronavírus na venda de medicamentos

Levantamento mostra que as vendas de remédios para consumidores finais na última semana de março e início de abril (do dia 29 a 04) teve um pico de 33%

A venda de medicamentos segue ritmo de crescimento exponencial no País no segundo mês de quarentena devido ao novo coronavírus. Levantamento de Interplayers, hub de negócios da saúde e bem-estar, mostra que as vendas de remédios para consumidores finais na última semana de março e início de abril (do dia 29 a 04) teve um pico de 33% quando comparado com a semana anterior (22 a 28).

Os medicamentos que apresentaram os maiores picos de vendas nas farmácias naquela semana foram os destinados a combater doenças infecciosas (18%) e problemas respiratórios com 10%, na comparação com a mesma semana do mês anterior. Além disso, a pesquisa ainda mostra que nas quatro primeiras semanas de quarentena (de 15/03 a 08/04), houve crescimento de 7,2% nas unidades compradas e também um aumento de 5% na quantidade de itens por compra quando comparadas com o mesmo período anterior.

O comportamento de compra de medicamentos pelo consumidor final sofreu forte impacto quando considerado o período iniciado em 9 março, de acordo com estudo. Para a Interplayers, o resultado demonstra a precaução da população com a saúde, principalmente dos aspectos relacionados à morbidade associada ao Covid 19, associado ao adiamento nos preços dos medicamentos.

Coronavírus e a venda de medicamentos

As vendas de medicamentos para consumidores finais na semana que compreende o final de março e início de abril apresentou pico de 33% quando comparado com semana anterior, no entanto demonstrou uma queda de 11% se comparado com mesma semana do mês anterior, contra sucessivos picos de crescimento 38% na semana iniciada em 22/3, 46% na semana de 15/3 a 21/3 e 21% na semana de 8/3 a 14/3.

A InterPlayers também apurou que os medicamentos que apresentaram os maiores picos de aumento de vendas nas farmácias na semana de 29/3 foram os destinados a combater doenças infecciosas 18% e problemas respiratórios com 10% (na comparação com a mesma semana do mês anterior). Considerando a semana anterior contra a atual, sistema cardiovascular e aparelho digestivo seguem em destaque.

Ainda de acordo com o trabalho, as quatro últimas semanas tiveram crescimento de 7,2% nas unidades compradas e também um aumento de 5% na quantidade de itens por compra quando comparadas com o mesmo período anterior.

As restrições aos deslocamentos nas grandes cidades, suspensão de diversas atividades econômicas e estocagem preventiva dos consumidores em tendência de acomodação da curva, porém acima das expectativas para o período.

 

Foto: Shutterstock

Fonte: InterPlayers

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário