Índice de obesidade e doenças relacionadas deve piorar na pandemia

Isolamento social recomendado como estratégia para combater a disseminação do novo coronavírus contribui para a obesidade na pandemia

Estudos têm mostrado que a obesidade na pandemia tem crescido e que os níveis de atividade física caíram durante o isolamento e permaneceram mais baixos até onde a quarentena foi flexibilizada.

A queda do condicionamento físico pode ser seguido por um aumento do sobrepeso e obesidade na população, o que já é reconhecido por agravar casos de Covid-19.

No Brasil, uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), aponta que quatro em cada dez pessoas ganharam peso durante o pandemia.

Esse fenômeno não é isolado e também foi registrado em países como a Itália, Israel, Reino Unido e França.

Em Curitiba, o excesso de peso já está presente em 50,9% da população, sendo que 16% já são considerados obesos, de acordo com o último levantamento da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) do Ministério da Saúde.

E, assim, a pandemia deve agravar ainda mais estes números.

Segundo o médico Dr. Alcides Branco, com 20 anos de experiência no tratamento da obesidade e mais de 10 mil pacientes operados em todo mundo, haverá um aumento da demanda nos sistemas de saúde devido à obesidade.

“A gente vê pelos artigos científicos o grande número de pacientes obesos e portadores de diabetes que tiveram complicações com a Covid-19. Precisamos tratar clinicamente ou até mesmo de forma cirúrgica. Já está provado que os pacientes com difícil controle de obesidade e diabetes o melhor tratamento é a cirurgia bariátrica e metabólica“, explica o cirurgião.

Estresse, ansiedade e saúde mental

Além do impacto na saúde física, a pandemia também tem reflexos na saúde mental.

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Pernambuco avaliou 16,4 mil pessoas e observou que 73% das pessoas que participaram da pesquisa relataram algum nível de estresse devido ao isolamento social.

Segundo a psicóloga Adriane Branco, a ingesta alimentar aumentada devido a ansiedade, sedentarismo e ficar mais em casa, levou, portanto, ao aumento de peso em 40% dos pacientes em seus consultórios.

“Com o passar dos meses, as pessoas ficaram cada vez mais ansiosas, deprimidas, algumas com síndrome do pânico, diante das incertezas e medos sobre a pandemia. O efeito após cinco meses é de uma demanda muito grande de pacientes que começam a buscar ajuda”, explica a psicóloga.

Falta rotina alimentar 

Neste mesmo sentido, a nutricionista Dra. Magda Ramos aponta que a mudança de hábitos levou à redução do gasto energético e aumento do consumo calórico diário. “Ficar em casa tornou o acesso a alimentação mais fácil. Ficou mais fácil comer fora de hora e beliscar. Gastando menos e consumindo mais, o aumento do peso acontece”, explica.

Segunda a especialista, o segredo para evitar o ganho de peso e evitar complicações no futuro é seguir uma rotina de saúde, incluindo horários fixos para alimentação, dar preferência para alimentos in natura e evitar alimentos processados.

“Essa orientação visa um aporte maior de vitaminas, minerais e proteínas que garante, inclusive, um melhor desempenho do sistema imunológico. Mantendo esse padrão alimentar, sem excesso de doces, frituras e bebidas alcóolicas, é possível até mesmo perder peso e evitar outras doenças como diabetes e pressão alta”, afirma Magda.

Obesidade, diabetes e doença cardíaca 

A obesidade é uma doença crônica que está diretamente relacionada ao desenvolvimento de comorbidades como o diabetes, a hipertensão arterial, alterações das gorduras do sangue, principalmente aumento dos triglicérides e diminuição do bom colesterol.

O que afeta diretamente a saúde do sistema cardiovascular.

Segundo a cardiologista Dra. Cláudia Savaris, o impacto da evolução para quadros mais graves de problemas cardiovasculares já pode ser sentido.

Estudos mostram a queda dos números de atendimento de infarto e aumento de oito vezes de casos de morte súbita.

Segundo a especialista, a ansiedade e o medo de uma contaminação por Covid-19 está, contudo, afastando pacientes cardiopatas de hospitais e centros de atendimento.

O que está elevando o número de mortes por infarto em casa.

“Há um hiato grande entre os pacientes não terem procurado hospital, não terem recebido atendimento e evoluído para morte. São pacientes crônicos que estão morrendo em casa”, alerta a cardiologista.

Redução nos atendimentos

Estudos também mostram que 55% países desenvolvidos reduziram atendimentos aos pacientes crônicos e isso irá gerar um impacto na saúde pública e suplementar brasileira.

“No Brasil, com uma população de 220 milhões, o impacto será ainda maior. Se essa lógica estiver correta, nós teremos mais doentes crônicos, com casos de maior gravidade e gerando necessidade de procedimentos de alto grau de complexidade”, diz Cláudia.

Para a especialista, uma das estratégias que podem ser adotadas para atender a demanda crescente destes pacientes crônicos é a utilização da telemedicina.

Dessa forma, há um aumento de 40% no número de atendimentos via telemedicina em todo o mundo.

Vamos precisar de um plano urgente de reestruturação da saúde no Brasil. Estratégia, alocação de recursos e opções de atendimento médico nas diversas regiões do país são importantes para evitar o número de mortes”, acrescenta a cardiologista.

Foto: Divulgação

Fontes: Doutores Alcides Branco, Cláudia Savaris e Adriana Branco

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário