Ingerir álcool com medicamento é mais perigoso do que parece

Estudo revela que interação pode causar efeitos superdimensionados

Ainda que a maior parte das pessoas saiba que existem riscos no consumo de medicamentos e álcool, o jornal científico “Molecular Pharmaceutics” revelou que a interação pode ser mais perigosa do que se imagina. De acordo com o autor do estudo, Christel Berstrom, o álcool pode alterar a interação de enzimas e de outras substâncias corporais quando entra em contato com ao menos cinco mil medicamentos disponíveis no mercado.

O álcool pode, também, dissolver resíduos de medicamentos no organismo, que podem representar até três vezes a dose original do medicamento. Alguns fármacos não se dissolvem totalmente no trato gastrointestinal – especialmente no estômago e no intestino. Os pesquisadores testaram, então, se com o álcool, os medicamentos poderiam se dissolver mais facilmente e descobriu-se que a combinação intensificava o efeito do medicamento.

Foram testados, no total, 22 medicamentos e 60% apresentaram mostras que teriam os efeitos superdimensionados. As substâncias ácidas ,especialmente, são as mais afetadas, como o anticoagulante varfarina, o tamoxifeno, usado para tratamento de cânceres e o naproxeno, responsável por aliviar dores e inflamações.

Confira algumas das interações:

  • Dipirona: o efeito do álcool pode ser potencializado.
  • Paracetamol: aumenta o risco de hepatite medicamentosa.
  • Ácido acetilsalicílico: aumenta o risco de sangramentos no estômago, já que o acetilsalicílico irrita a mucosa estomacal e o álcool potencializa o problema.
  • Antibióticos: essa associação, especialmente com alguns tipos de antibióticos, pode levar a efeitos graves do tipo antabuse (o acúmulo desta substância tóxica causa efeitos como vômitos, palpitação, cefaleia, hipotensão, dificuldade respiratória e até morte). São exemplos: Metronidazol, Trimetoprim-sulfametoxazol, Tinidazole, Griseofulvin. Outros antibióticos, como cetoconazol, nitrofurantoína, eritromicina, rifampicina e isoniazida podem inibir o efeito e potencializar a toxicidade hepática.
  • Anti-inflamatórios: aumentam o risco de úlcera gástrica e sangramentos.
  • Antidepressivos: aumentam as reações adversas e o efeito sedativo, além de diminuir a eficácia dos antidepressivos.
  • Ansiolíticos: aumentam o efeito sedativo, o risco de coma e insuficiência respiratória.
  • Inibidores de apetite: pode aumentar o potencial para ocorrer efeitos como tontura, vertigem, fraqueza, síncope e confusão.

Fonte: Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP)
Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário