Janssen implementou processos na linha de produção e na rastreabilidade de medicamentos

Janssen, a fábrica da empresa do grupo Johnson & Johnson, em São José dos Campos, implementou processos de rastreabilidade de medicamentos em suas linhas de produção e é pioneira em iniciativas que inibem roubos e falsificação de remédios

A falsificação de medicamentos, processos de logística incorretos e até roubo de cargas desafiam a indústria farmacêutica. Essa também é uma preocupação de entidades como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Dentro deste contexto, para garantir maior segurança para a população, um tema passa a ser cada vez mais debatido, a rastreabilidade. Essa tecnologia torna possível acompanhar a vida do medicamento, em toda a cadeia produtiva, desde a fabricação até o consumo final.

Ao mesmo tempo, o relatório anual de sustentabilidade da Johnson & Johnson ‘Saúde para a Humanidade’ destacou os avanços alcançados pela empresa em 2018 no Brasil. O relatório contou com o reconhecimento da Anvisa.

Implementações na Janssen para a rastreabilidade de medicamentos

Em 2009 foi promulgada a Lei 11.903/09, que dispõe sobre a criação de um Sistema Nacional de Controle de Medicamentos (SNCM). Em 2016, a Janssen, farmacêutica do grupo Johnson & Johnson, passou a investir em tecnologia para a implementação da serialização e rastreabilidade de medicamentos fabricados no Brasil. Importante observar que serializar é identificar com um número único cada unidade de venda do medicamento. Desta forma, o paciente e o profissional de saúde têm a total segurança de que estão lidando com um produto original.

A Janssen implementou a serialização em todas as linhas de produção de sua fábrica em São José dos Campos, no interior de São Paulo. O trabalho e antecipação à legislação foram reconhecidos pela Anvisa. Além disso, a Janssen está participando de um piloto para colaborar com a construção do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos. Internamente, o processo de serialização e rastreabilidade da empresa está concluído. Já é possível rastrear os produtos até o Centro de Distribuição. A parte externa depende da conclusão do sistema que integrará as informações de todos os participantes da cadeia logística. Isso deve ocorrer até 2022, conforme previsto na lei.

Rastreabilidade de medicamentos: colaboração global

Além disso, a Janssen Brasil participou do projeto que faz parte de um programa global da empresa. O projeto foi criado para padronizar os processos de serialização e rastreabilidade de medicamentos em todo o mundo. A iniciativa está presente em diferentes unidades fabris da companhia, em cerca de 40 países, e abrange todos os itens da Janssen.

Foto: Shutterstock
Fonte: Johnson & Johnson

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário