Faixa etária de 20 a 29 anos tem maior aumento no total de mortes por Covid-19 no começo de abril

Boletim da Fiocruz aponta que manutenção dos casos e mortes em patamares elevados é uma tendência para as próximas semanas

A faixa etária dos jovens entre 20 e 29 anos é a que teve o maior aumento das mortes por Covid-19 na comparação entre o verificado no começo do ano e os dados coletados entre os dias 4 e 10 de abril, de acordo com o Boletim do Observatório Fiocruz Covid-19, divulgado na última sexta-feira (23).

“A análise aponta que a faixa etária dos mais jovens, de 20 a 29 anos, foi a que registrou maior aumento no número de mortes por Covid: 1.081%”, aponta a Fundação Oswaldo Crus (Fiocruz).

Já nas idades de 40 a 49 anos houve o maior crescimento do número de casos, com alta de 1.173%.

Crescimento ao longo do ano

Considerando todas as faixas etárias ao longo do ano, desde a semana epidemiológica 1 (03/1 a 09/1) com a semana 14 (04/4 a 10/4), o aumento global foi de 642,80% para os casos de Covid-19 e 429,47% para as mortes.

O maior aumento absoluto no número de mortes foi observado entre os jovens de 20 a 29 anos.

No primeiro levantamento do ano realizado pela Fiocruz, foram observados 11 óbitos na faixa etária. Na última coleta de dados, esse número saltou para 130.

A faixa etária que mais sofreu com o aumento no número de casos de Covid-19 foi a de 40 a 49 anos.

Dados revelam que no começo do ano foram observados 400 novos casos entre a faixa etária contra os 5.095 registrados no momento.

Percentuais por faixa etária:

  • 20 a 29 anos – 745,67% (casos) e 1.081,82% (óbitos)
  • 30 a 39 anos – 1.103,49% (casos) e 818,60% (óbitos)
  • 40 a 49 anos – 1.173,75% (casos) e 933,33% (óbitos)
  • 50 a 59 anos – 1.082,69% (casos) e 845,21% (óbitos)
  • 60 a 69 anos – 747,65% (casos) e 571,52% (óbitos)

Taxa de letalidade continua a subir

O boletim voltou a alertar que houve novo aumento na taxa de letalidade. De acordo com os pesquisadores, o índice se mantinha em 2% até o início do ano, subiu para 3% em março e, nas duas últimas semanas epidemiológicas, alcançou 4,5%.

Tendências para as próximas semanas

  • Manutenção de patamar elevado: A Fiocruz diz que, nas duas últimas semanas, houve a estabilização do número de casos e óbitos por Covid-19. Os pesquisadores dizem que está caracterizada a formação de um novo patamar de transmissão.
  • Rejuvenescimento da pandemia: a tendência de rejuvenescimento da pandemia se mantém no Brasil, com a idade média de casos internados na semana epidemiológica 14 sendo de 57,68 anos, em comparação com a idade média de casos internados na semana epidemiológica 1, que era de 62,35 anos.
  • Abertura pode acelerar transmissão: o boletim lembra que as medidas de restrição de atividades, decretadas por vários municípios e estados no final do mês de março começam a ser flexibilizadas a despeito dos indicadores não apresentarem ainda a redução esperada.

 

Médicos relatam choque com UTIs lotadas de jovens com Covid-19 

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário