fbpx

LATAM Cargo mira no setor farmacêutico

A companhia aérea de carga agora oferecerá serviço direto para a Escandinávia, beneficiando o setor farmacêutico

A LATAM Cargo tornou-se a primeira companhia aérea de carga a oferecer serviço direto para a Escandinávia e América Latina, adicionando Copenhague a sua rota, o que beneficiará o setor farmacêutico.

A companhia aérea disse que a nova rota semanal reduz tempo e custo de trânsito em até 48 horas, diminuído a necessidade de transportes terrestres. A rota será operada com o B767-300F que oferece capacidade estimada entra 20-25 toneladas por voo. Com isso, os principais benefícios da indústria Escandinávia sãos as empresas do setor farmacêutico, fabricantes de automóveis, petróleo e papel, embora num curto prazo as empresas de máquinas e outras também devam desempenhar um papel importante.

Veja Mais

A LATAM considera aumentar a capacidade ou a frequência se houver demanda suficiente.

A rota de ida e volta aumentará a conectividade entre a Escandinávia os diferentes mercados da América Latina, com uma rota que inclui Copenhague (Dinamarca), Viracopos (Brasil), Montevidéu (Uruguai), Santiago (Chile) e Quito (Equador). O retorno será via Miami (EUA), Bruxelas (Bélgica) e Copenhague.

A vice-presidente sênior da LATAM Cargo para a América do Norte, Europa e Ásia, Gabriel Oliva, disse: “Como líder na América Latina, assumimos a responsabilidade de conectar a região com o mundo e vice-versa. Prova disso são os mais de 150 destinos atualmente oferecidos pelo Grupo LATAM Cargo. O tamanho e a força de nossa rede são os pilares que nos tornam um parceiro estratégico para nossos clientes, fornecendo o suporte necessário para levar suas remessas para seus destinos finais em menos tempo”.

Copenhague é a sétima rota aberta mundialmente nos últimos 12 meses e a segunda rota européia usada exclusivamente para cargas abertas pela LATAM durante o mesmo período de tempo.

Foto: Shutterstock
Fonte: Guia Marítimo

Leia também: Motivo principal de inovações na indústria é a sobrevivência, diz pesquisa

Deixe um comentário