Destaques & lançamentos

Lei autoriza remédios com finalidade diferente do aprovada pela Anvisa

A lei autoriza que o SUS receite e aplique remédios com indicação de uso diferente da aprovada pela Anvisa, desde que a medicação tenha sido recomendada pela Conitecs no SUS

Na última terça-feira (22), foi sancionada pelo governo Federal norma que autoriza o Sistema Único de Saúde (SUS) a receitar e aplicar remédios com indicação de uso diferente da aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Portanto, de acordo com a lei 14.313/22, a medicação apenas terá uso distinto daquele aprovado na Anvisa, desde que tenham sidos recomendados pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec).

Entenda a norma 

O texto-base do projeto foi aprovado pelos deputados em dezembro do ano passado.

Em fevereiro deste ano o plenário da Câmara concluiu a votação após rejeitar todos os destaques apresentados pelos partidos na tentativa de retirar trechos do texto.

De acordo com o projeto, deveriam ser demonstradas as evidências científicas sobre a eficácia, a efetividade e a segurança do medicamento para o novo uso, com padronização em protocolo estabelecido pelo Ministério da Saúde (MS).

Em relação ao processo administrativo necessário para incorporar determinado medicamento ou procedimento pelo SUS, o projeto determinava que a distribuição para a relatoria deverá ser aleatória.

E também  respeitar a especialização e a competência técnica requeridas para a análise da matéria, devendo ser dada publicidade dos atos processuais.

Quanto à avaliação econômica da inclusão do medicamento ou procedimento no âmbito do SUS, o projeto determinava que as metodologias empregadas deverão constar em regulamento e ser amplamente divulgadas.

Inclusive em relação aos indicadores e parâmetros de custo-efetividade utilizados em combinação com outros critérios.

Principais alterações e a lei que autoriza a venda desses remédios

A lei autoriza que o SUS receite e aplique remédios com indicação de uso diferente da aprovada pela Anvisa, desde que a medicação tenha sido recomendada pela Conitecs no SUS.

A nova norma libera, ainda, o uso de medicamento ou produto recomendados pela comissão.

E também comprados por meio de organismos multilaterais internacionais, como a Organização Panamericana de Saúde (Opas), para uso, então, em programas de saúde pública do ministério e de suas entidades vinculadas.

De acordo com o governo Federal “As novas medidas garantem maior acesso da população aos procedimentos atualizados para os tratamentos médicos. A proposta representa também um avanço para os pacientes que precisam de alternativas terapêuticas”.

Anvisa autoriza encerramento do processo de uso emergencial do medicamento Xeljanz 

Fonte: Migalhas

Foto: Shutterstock

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário