Longas jornadas de trabalho aumentam risco de morte por doenças cardíacas e derrame

Estudo da OMS e da Organização Internacional do Trabalho aponta risco 35% maior de mortes por AVC entre pessoas que trabalham mais de 55 horas por semana

Longas jornadas de trabalho – com carga igual ou superior a 55 horas semanais – estão associadas a um risco 35% maior de mortes por acidente vascular cerebral e 17% maior por doenças cardíacas, aponta estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado nesta segunda-feira, 17.

Os dados representam 745.194 mortes por doenças cardiovasculares em 2016, um aumento de 29% desde 2000.

Hoje, essa tendência é acentuada pela pandemia de covid-19 e pelo trabalho remoto.

A pesquisa, publicada na revista científica Environment International, reúne dados de cerca de 190 países levantados entre 2000 e 2016.

A saber, o cálculo foi feito a partir de estimativas da população exposta a longas jornadas de trabalho e riscos relativos à exposição a doenças cardiovasculares.

Quando comparados a jornadas de trabalho normais, isto é, entre 35 e 40 horas por semana.

A população exposta foi modelada usando dados de 2.324 pesquisas transversais e 1.742 conjuntos de dados de pesquisas trimestrais.

De acordo com o estudo, em 2016, 488 milhões de pessoas em todo o mundo foram, então, expostas a mais de 55 horas de trabalho semanais – quase 9% da população global.

Dessa maneira, a crise do novo coronavírus acelerou esse processo: 

Com o home office virando norma em diversos setores, os limites entre casa e trabalho se diluíram, e cargas horárias extenuantes se tornaram mais comuns.

O que deve ser feito

Para o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, é necessário regular e prevenir.

“Governos, empregadores e trabalhadores precisam trabalhar juntos para chegar a um acordo sobre limites para proteger a saúde dos trabalhadores”, alertou, em nota.

O estudo apontou que 72% das mortes ocorreram entre homens.

A maioria dos óbitos registrados também se deu com pessoas entre 60 a 79 anos que trabalharam, então,  por longas jornadas nas décadas anteriores, entre os 45 e 74 anos de idade.

A pesquisa ainda indicou maior impacto em pessoas que vivem nas regiões do Pacífico Ocidental e do Sudeste Asiático.

Longas jornadas de trabalho já aparecem como o fator de risco que mais causa doenças vinculadas ao trabalho, representando um terço do total.

6 sinais de alerta para saúde mental na pandemia 

Fonte: Estadão

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário