Lucro líquido da Johnson & Johnson cai 14% no primeiro trimestre

Apesar do recuo, resultado ficou acima das expectativas dos analistas

A Johnson & Johnson anunciou lucro líquido de US$ 3,75 bilhões no primeiro trimestre de 2019, uma queda de 14% em relação a igual período do ano passado, quando contabilizou US$ 4,37 bilhões. O resultado reflete os custos judiciais da companhia para resolver e se defender de algumas ações. Uma delas, relacionada ao medicamento Xarelto, por supostamente causar sangramento excessivo. Contudo, embora o resultado tenha recuado, o lucro ajustado – que exclui itens não recorrentes – por ação foi de US$ 2,06, acima das expectativas dos analistas, de US$ 2,00.

As vendas mantiveram-se praticamente estáveis no período, passando de US$ 20,009 nos primeiros três meses de 2018 para US$ 20,021, com alta de 0,1%. Segundo a companhia, as vendas operacionais em todo o mundo, excluindo o impacto líquido de aquisições e alienações, cresceram 0,7% impulsionadas por produtos vendidos sem receita, incluindo analgésicos TYLENOL, produtos de saúde digestiva e auxiliares internacionais anti-tabagismo; e produtos de beleza NEUTROGENA, compensados, ​​principalmente, por vendas menores de produtos de cuidados com o bebê.

As vendas operacionais farmacêuticas em todo o mundo, também excluindo o impacto líquido de aquisições e alienações, cresceram 7,9% impulsionadas por medicamentos como STELARA, produto biológico para o tratamento de uma série de doenças inflamatórias imunomediadas; IMBRUVICA, terapia aprovada para uso no tratamento de certas malignidades de células B, um tipo de câncer de sangue ou linfonodo; DARZALEX, para o tratamento de mieloma múltiplo; e TREMFYA, um biológico para o tratamento de adultos que vivem com moderado a grave psoríase em placas.

O primeiro trimestre do ano também foi marcado pelas últimas negociações/aquisições recentes da companhia, como a alienação de seu negócio de Produtos de Esterilização Avançada (ASP), uma divisão da Ethicon, Inc., para a Fortive Corporation, por um valor agregado de aproximadamente US $ 2,8 bilhões; a aquisição da desenvolvedora privada de tecnologias robóticas, inicialmente focada no câncer de pulmão Auris Health, Inc. por, aproximadamente, US$ 3,4 bilhões, também via subsidiária Ethicon; e o contrato exclusivo de colaboração e licenciamento mundial com a MeiraGTx para desenvolver programas de terapia genética para doenças hereditárias da retina.

Fonte: Guia da Farmácia/ CNBC/ Exame

Foto: Shutterstock

EMS anuncia aumento da capacidade produtiva para 2019

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário