Maioria dos brasileiros se automedica

Hábito pode causar alergias e intoxicação

O brasileiro ainda tem pouco conhecimento sobre os impactos da automedicação e diagnose. De acordo com o relatório Fatores predisponentes para a prática da automedicação no Brasil: resultados da pesquisa nacional de acesso, utilização e promoção do uso racional de medicamentos (PNAUM), 18,3% das pessoas se automedicam.

A maior parte dos entrevistados (73,6%), disseram já ter usado algum medicamento sem recomendação médica – caso eles já tivessem usado anteriormente o mesmo produto; 73,8% declararam ter usado fármacos não prescritos quando o medicamento já estava em casa; e 25,5% afirmaram ter usado alguma medicação não prescrita quando algum conhecido já havia a tomado antes.

Para a coordenadora do curso de Gestão da Vigilância em Saúde do Centro Universitário Internacional Uninter, a professora Vera Lucia Pereira dos Santos, o principal problema na automedicação é o risco de intoxicação ou uma reação alérgica.

“A pessoa que se automedica já apresenta sintomas que indicam um estado alterado de saúde; se ocorrer a intoxicação pelo medicamento não indicado, o paciente pode inclusive não distinguir a reação e não procurar ajuda a tempo ou ainda ter uma reação alérgica, que poderá trazer sérias consequências”, avalia a especialista.

Fonte: SEGS.com.br
Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário