Marcas próprias: cenário para 2021 é otimista

Pandemia aumentou a procura por produtos mais baratos e alavancou as marcas próprias

O aperto do ano de 2020, em todos os sentido, fez com que muitos recorressem aos produtos de marcas próprias nas prateleiras para economizar e o reflexo disso foi um significativo crescimento do segmento e uma consolidação dessas marcas, que podem passar a ter mais protagonismo na casa dos brasileiros em 2021.

Esse crescimento foi registrado pela Kantar, em pesquisa encomendada pela Associação Brasileira de Marcas próprias e Terceirização (Abmapro), que aponta que mais de 2,2 milhões compraram, assim, novas marcas apenas no primeiro semestre de 2020.

Quando concluído o levantamento, a estimativa era de que o faturamento das mesmas fechasse o ano com R$ 8 bilhões, assim, alcançando por volta de 10% de crescimento.

Para 2021, o cenário é ainda mais promissor, de acordo com o presidente da Associação, Neide Montesano.

“Com o fim do auxílio emergencial e as incertezas sobre o futuro da economia, as famílias vão ter que recorrer ainda mais às esses produtos para economizarem e garantirem o poder de compra. Esses rótulos, além de oferecerem preços mais acessíveis, também garantem que, por trás deles, haja um produto de boa qualidade”, completa a executiva. 

 Apesar da crise, no entanto, o crescimento das marcas próprias não se restringiu apenas ao varejo convencional, mas também se estendeu a outros segmentos: desde produtos para casa, vestuário e itens de farmácia, passando por artigos esportivos e produtos para reforma, chegando até o Mercado de Luxo. 

Cresce consumo de marcas locais e próprias no Brasil 

Fonte: Abmapro

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário