Entenda a ação dos anti-hipertensivos no organismo

Os anti-hipertensivos, quando administrados isolados ou em associações, reduzem a Pressão Arterial (PA), apresentando ação hipotensora.

A ação dos anti-hipertensivos ocorre por seus efeitos sob a resistência periférica e/ou débito cardíaco, ou seja, há aqueles que inibem a contrabilidade (força extrema do músculo) do miocárdio ou reduzem a pressão do ventrículo do coração.

O mecanismo de ação dos anti-hipertensivos irá depender da classe à qual pertencem. Vejam os principais:

Diuréticos

Aumentam o volume e o grau do fluxo da urina.

Bloqueadores beta adrenérgicos

Antagonizam os receptores beta da noradrenalina.

Bloqueadores do canal de cálcio

São capazes de reduzir a excitabilidade cardíaca e também a frequência, promovendo o relaxamento da musculatura lisa arterial e redução da resistência vascular periférica.

Vasodilatadores

Produzem vasodilatação e reduzem a resistência periférica.

Inibidores da enzima conversora da angiotensina II

Atuam bloqueando a produção de angiotensina II que é um vasoconstritor.

Pesquisa Vigitel: hipertensão é diagnosticada em 24,7% dos brasileiros

Em 2018, 24,7% da população que vive nas capitais brasileiras afirmaram ter diagnóstico de hipertensão. Os novos dados Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2018) mostram, igualmente, que a parcela da sociedade mais afetada é formada, primordialmente, por idosos: 60,9% dos entrevistados com idade acima de 65 anos disseram ser hipertensos, assim como 49,5% na faixa etária de 45 a 54 anos. Essa última edição da pesquisa foi realizada por telefone com 52.395 pessoas maiores de 18 anos, entre fevereiro e dezembro do ano passado.

A pesquisa Vigitel 2018 destaca, sobretudo, que as pessoas com menor escolaridade são as mais afetadas pela hipertensão. Ademais, do público com menos de oito anos de estudo, 42,5% disse sofrer com a doença; dos com 9 a 11 de estudo, 19,4%; e 12 ou mais, 14,2%.

As capitais em risco

As capitais com maior prevalência são, em primeiro lugar, o Rio de Janeiro (31,2%), em segundo lugar, Maceió (27,1%); e, em terceiro lugar João Pessoa (26,6%). Em seguida estão Vitória (25,2%), São Luís (15,9%); Porto Velho (18,0%); Palmas; e Boa Vista (18,6%).

Dados preliminares do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, mostram, da mesma forma, que, em 2017, o Brasil registrou 141.878 mortes devido a hipertensão ou a causas relacionadas a ela. Como resultado, esse número revela uma realidade preocupante: todos os dias 388,7 pessoas se tornam vítimas fatais da doença, o que significa 16,2 óbitos a cada hora. Em contrapartida, grande parte dessas mortes é evitável; e 37% dessas mortes são precoces, ou seja, em pessoas com menos de 70 anos de idade.

Fonte: farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), Maria Aparecida Nicoletti

Saiba mais sobre a hipertensão arterial, uma doença silenciosa que já atinge 30% da população brasileira.

Foto: Shutterstock

Recall de medicamentos para hipertensão


Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Brasileiro deixa a desejar

Edição 297 - 2017-08-01 Brasileiro deixa a desejar

Essa matéria faz parte da Edição 297 da Revista Guia da Farmácia.

Deixe um comentário