A nova terceira idade

A população predominantemente jovem está ficando escassa. O País vive um processo de envelhecimento e é necessário se adequar aos desafios que esse novo cenário impõe

O Brasil está ficando velho. Em apenas duas décadas, a configuração populacional brasileira estará completamente alterada pela primeira vez na história. As projeções apontam que, após 2030, o contingente acima dos 60 anos de idade será maior do que o de crianças e adolescentes de até 14 anos de idade. Em 2050, os idosos representarão o dobro dessa população jovem.

Esse novo perfil se deve a fatores, como diminuição da mortalidade infantil e adulta e queda da natalidade; a partir de 2040, os únicos grupos populacionais que vão crescer serão os de pessoas com 55 anos de idade ou mais.

A população brasileira está vivendo mais e melhor. Neste ano, a expectativa de vida ao nascer subiu para 75 anos de idade, um acréscimo de 3,7 anos em uma década. Se comparado aos últimos quinze anos, o aumento é de seis anos.

Para se ter uma ideia, em 1900, a expectativa de vida do brasileiro era de 33 anos de idade. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que estima em 77,8 anos a expectativa de vida do brasileiro em 2025 e de 81,2 anos em 2060.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) revela que existem, atualmente, no mundo, perto de 800 milhões de pessoas com mais de 60 anos de idade. E projeções da entidade indicam que esse contingente populacional deve atingir dois bilhões de pessoas em 2050, o que representará 25% do total de habitantes do planeta. Ou seja, uma pessoa em cada cinco será idosa nos próximos 35 anos. 

Boa parte das causas para o envelhecimento da população é reflexo das políticas públicas de saúde preventiva, como as campanhas de vacinação que, no caso do Brasil, contribuíram para que a mortalidade infantil caísse de 20 mil nascidos, em 2000, para 14 por mil neste ano, devendo chegar a 11 por mil em 2015, segundo levantamento do IBGE.

Para a consultora especializada em varejo farmacêutico, Silvia Osso, com o aumento da população idosa, será necessário proporcionar um excelente atendimento, tendo em vista que o idoso quer cuidar de sua longevidade e saúde e não da doença. “Há muitos idosos com excelente saúde e que exigem cuidados de prevenção, tanto para a saúde como para a beleza.” 

Para o governo, o aumento do número de idosos acarreta uma despesa maior se pensarmos na aposentadoria; para o varejo, inúmeras oportunidades. Já para as farmácias, Silvia indica que será necessário iniciar um trabalho de Atenção Farmacêutica e qualificação dos profissionais da farmácia para esse atendimento.

Apesar de boa parte da sociedade encarar o envelhecimento como doenças e fragilidade, os idosos do século 21 têm um novo perfil, estão mais ativos e apesar de muitos serem portadores de patologias crônicas, conseguem melhorar a qualidade de vida quando praticam atividades físicas, por exemplo.

Veja a seguir, as principais doenças que mais acometem a população idosa brasileira e de que forma as pessoas estão lidando com elas:

Hipertensão arterial

É uma condição clínica que se caracteriza por níveis elevados de Pressão Arterial (PA). A pessoa é considerada hipertensa quando a PA sistólica ou máxima for ≥ 140 mmHg e⁄ou de PA diastólica ou mínima for ≥ 90 mmHg. 

Trata-se do principal fator de risco para derrames, doenças do coração, como infartos, paralisação dos rins, lesões nas artérias e alterações no olho. Ela atinge 32,5% (36 milhões) de brasileiros adultos, mais de 60% dos idosos, sendo responsável por 80% dos Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs), 60% dos infartos do miocárdio, 40% dos casos de insuficiência cardíaca e 37% das insuficiências renais terminais que precisam de diálise. 

Diabetes

O diabetes mellitus é uma doença que ocorre quando há o aumento da glicose no sangue. É classificado em tipo 1 e 2. O tipo 1, que é o mais grave e ocorre principalmente em crianças e adultos jovens, sendo necessário o tratamento com aplicações de insulina. 

Já o diabetes tipo 2, que é o mais frequente, está associado à resistência à insulina provocada pela obesidade e sobrepeso. Em idosos, o excesso de peso é uma das maiores causas do diabetes tipo 2, o que exige cuidados ainda maiores com a alimentação e a prática regular de alguma atividade física.  

Osteoporose

A perda de minerais, como o cálcio, e a deficiência de vitamina D são fatores que contribuem para o surgimento de doenças, como a osteoporose, tão comum em idosos e mulheres na menopausa. Crônica, a doença torna os ossos tão frágeis que podem se quebrar mesmo sem causa aparente.  

Artrose

É uma patologia que já atinge dez milhões de pessoas no País, sendo que apenas 42% delas já estão diagnosticadas. Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), 20% dos adultos brasileiros já são acometidos pela doença e o excesso de exercícios físicos será a causa de 45% dos casos de artrose no futuro. 

Artrite

É um processo inflamatório em qualquer uma das 68 articulações. Caracteriza-se por dor aguda, inchaço, vermelhidão, aumento do volume local e limitação da articulação, manifesta-se em algumas doenças reumatológicas ou não, lúpus, artrite reumatoide, gota, anemia falciforme, entre outras. 

Mal de Alzheimer

Doença degenerativa do cérebro, que piora com o tempo de modo lento, afetando o funcionamento intelectual e as atividades da vida diária. Ocorrem algumas alterações com umas proteínas no cérebro que matam os neurônios e prejudicam a comunicação entre as células. 

Perda da audição

Com o avançar da idade, a pessoa começa a apresentar um processo natural de envelhecimento de seus órgãos, incluindo o sistema auditivo. O envelhecimento do ouvido humano é resultado dos efeitos cumulativos de vários fatores extrínsecos ao sujeito, tais como a exposição a ruídos, nutrição, estresse e uso de medicamento, somados ao envelhecimento.  

Impotência sexual

Diferentemente de uma “falha” ocasional, a Disfunção Erétil (DE) incapacita o homem, de forma permanente, em ter ou manter uma ereção peniana suficiente para uma relação sexual satisfatória. O problema pode estar associado a outras doenças, entre elas, principalmente: diabetes, pressão alta, dislipidemia, doenças neurológicas e o envelhecimento. 

Doença de Parkinson

É causada pela morte progressiva de células nervosas no cérebro, mas especialmente de um grupo particular que produz a dopamina. A doença atinge cerca de 3% das pessoas com mais de 64 anos de idade e a frequência aumenta em idades cada vez mais avançadas. 

Os sintomas característicos da doença são os tremores, a pobreza e lentidão dos movimentos, rigidez muscular e o aparecimento progressivo de desequilíbrio e dificuldade para a marcha. 

Outros problemas também ocorrem e são frequentes, como: urgência para urinar quando a bexiga está cheia, intestino preso, perda do olfato, problemas com o sono, sonolência durante o dia. 

Visão 

Catarata, glaucoma, retinopatia diabética, obstrução venosa retiniana, degeneração macular relacionada à idade são alguns dos males que podem prejudicar a visão do idoso. Esses problemas também podem ser secundários a doenças sistêmicas que aparecem com a idade, como diabetes (retinopatia diabética) ou aterosclerose (obstrução venosa).  

Incontinência urinária

A doença afeta uma em cada três pessoas acima dos 60 anos de idade e é conhecida mundialmente como “câncer social”, por causar, na maioria dos casos, constrangimento e isolamento, podendo levar à depressão. 

No Brasil, cerca de dez milhões de pessoas apresentam algum tipo de incontinência e muitas não procuram ajuda médica por acreditarem que o problema é normal ou natural da idade ou por acreditarem que não há tratamentos efetivos. 

Pele frágil

A pele do idoso precisa de mais hidratação e é comum a pele seca (xerose) como uma das causas de coceira (prurido) e até predisposição para eczemas. 

Com o envelhecimento, a estrutura dérmica se modifica e há fragilidade dos vasos que facilmente se rompem mesmo sem trauma – púrpura senil. Importante fazer uma visita ao dermatologista para diferenciar de outras púrpuras e vasculites que podem ocorrer em associação com outras patologias. 

Doenças cardiovasculares 

Infarto, angina e insuficiência cardíaca. Todas elas têm como fatores de risco a pouca atividade física (sedentarismo), fumo, diabetes, alta taxa de gordura no sangue (colesterol) e obesidade (gordura). Entre os principais sintomas, estão falta de ar, dor no peito, inchaço e palpitações. A melhor forma de prevenção envolve a prática de atividade física de forma sistemática, não fumar e controlar o peso, o colesterol e o diabetes. 

Câncer 

Moléstia que mais preocupa a população em geral e, em particular, os idosos. O câncer tem entre os fatores de risco o fumo, a exposição ao sol, a alimentação inadequada, a obesidade, o alcoolismo e casos na família. 

Dependendo do tipo de câncer, um dos sintomas mais comuns é o emagrecimento inexplicável. A melhor forma de prevenção é consultar o médico, pelo menos, uma vez por ano, para fazer exames, evitar exposição ao sol em excesso e não fumar.

Autor: Adriana Bruno, Marcelo de Valécio e Vivian Lourenço

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Novos Postos

Edição 284 - 2016-07-01 Novos Postos

Essa matéria faz parte da Edição 284 da Revista Guia da Farmácia.

Deixe um comentário