Destaques & lançamentos

Alerta do organismo

A sensação desconfortável provocada pela dor faz com que as pessoas busquem alternativas de controle rápido e eficaz. As de cabeça, costas e musculares são as mais recorrentes entre a população brasileira

Todos os brasileiros já sentiram pelo menos uma vez na vida algum tipo de dor. Há aqueles que convivem com a dor diariamente, os que a sentem mensalmente e aqueles que são submetidos à dor quando expostos a um fator externo.

Muitas pessoas acreditam que sentir dor seja algo normal e convivem com ela por muito tempo, tendo sua qualidade de vida prejudicada. É importante lembrar que a dor é um sinal de que algo no organismo não vai bem, sendo assim, é essencial ser investigada.

“Dor é uma sensação desagradável, que se associa a uma emoção ruim, aliada a uma imagem simbólica de algo indesejável. São três dimensões”, explica o professor titular da disciplina de Neurocirurgia do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), Dr. Manoel Jacobsen. Ainda assim, a dor é necessária. “Sem dor, o indivíduo não conseguiria sobreviver. A dor serve como um alerta”.

O diretor científico da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), Dr. Alexandre Annes, compartilha da mesma opinião, segundo ele, nem sempre a dor é uma inimiga. Sentir e perceber a sensação dolorosa é algo normal e necessário. “Precisamos ter esse tipo de sensação, para percebermos quando algo está ‘fora do equilíbrio’ em nosso corpo e procurarmos algum auxílio. Nessa situação, a dor tem uma função de alertar.”

Devem-se levar em consideração diversos aspectos do indivíduo para entender a sua dor. De forma mais didática, dentro de uma visão fisiopatológica, ela pode ser classificada em: inflamatória (relacionada a um quadro de inflamação), neuropática (associada a uma alteração no nervo) ou a disfuncional (refere-se a uma doença em que o paciente sente dor sem que apresente alguma lesão tecidual aparente, denotando um problema no funcionamento cerebral).

Diferenças entre fármacos

Ibuprofeno: utilizado para alívio das dores leves a moderadas. Sua ação se inicia de 10 a 30 minutos após a administração e possui duração de seis a oito horas.

Ácido acetilsalicílico: proporciona o alívio sintomático de dores de intensidade leve à moderada, e de febre nos resfriados e gripe. Sua ação inicia-se 20 minutos após ser ingerido e tem duração de seis horas. Devido às complicações gastrointestinais frequentes, sua utilização tem sido cada vez menor. É contraindicado em caso de suspeita de dengue ou em uso de outros anticoagulantes, já que ele inibe a agregação plaquetária e pode levar à hemorragia. Interfere diretamente na mucosa gástrica, impedindo a produção da prostaglandina, que protege a mucosa do tubo digestivo.

Dipirona sódica: tem ação analgésica para alívio de dores leves a moderadas sendo também indicada para febres. A ação analgésica dura em média seis a oito horas e tem início após 20 a 30 minutos da administração do medicamento.

Paracetamol: promove o alívio de dores leves a moderadas, mas não possui ação anti-inflamatória significativa. O analgésico tem duração de seis a oito horas. Os pacientes que utilizam de forma exagerada álcool ou que sejam portadores de doenças hepáticas agudas ou crônicas devem ter cautela em sua utilização. Além disso, é comum esse princípio ativo estar presente na fórmula de outros medicamentos, como antigripais, por exemplo.

Fonte: reumatologista membro da comissão de dor e reumatologia de parte moles da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), Dr. Roberto Heymann

A dor em números

Em uma pesquisa realizada pela Mundipharma com 801 pessoas em 11 capitais das cinco regiões brasileiras, descobriu-se que a maior queixa do brasileiro é em relação às dores de cabeça, que afligem pouco mais de 80% dos entrevistados. Na sequência, as dores nas costas e em membros inferiores foram cotadas por quase 50% dos participantes e, logo em seguida, com 40%, aparecem as dores musculares.

Condição social e a prática de atividade física também parecem ser fatores importantes. Apenas 20% das pessoas ativas declararam estar sentindo dor, enquanto 31% dos membros da classe D/E se queixaram de alguma dor.

Entre os entrevistados, 11% têm dores contínuas, sem que seja possível citar uma causa específica. Mais uma vez, as mulheres largaram na frente. Cerca de 13% delas afirmam sofrerem com dores crônicas, contra 9% dos homens.

Apesar delas sentirem mais dores, são eles que reclamam mais que a rotina diária é atrapalhada quando o corpo manifesta algum sinal desconfortável – 80% de homens contra 75% de mulheres. Entre as áreas mais prejudicadas, estão o humor e a disposição, o desempenho e a disposição para o lazer. Muitas vezes, a dor é tamanha que 60% dos entrevistados afirmam que já deixaram de participar de alguma atividade social ou no trabalho.

Dor mensal

A dor também foi tema de um estudo encomendado pelo laboratório Sanofi ao Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), mas, desta vez, com foco no sexo feminino. Para isso, foram entrevistadas mil mulheres de 16 a 40 anos, moradoras das cinco regiões brasileiras. De acordo com os dados obtidos, a cólica menstrual é a principal causa de dor entre as mulheres (76%), seguida de perto pela dor de cabeça (75%).

Dor crônica X dor aguda

O que muitos pacientes com dores não sabem é que existem diferentes tipos de dor. A dor aguda é recente e serve como sinal de alerta e se torna muito importante para o quasro clínico. Já a dor crônica é aquela que persiste por mais de seis meses; a aguda pode ser controlada e a crônica ainda é um desafio, já que o tratamento é totalmente diferente; ela é física e emocional e afeta por volta de 20% a 30% da população brasileira.

Screen Shot 2015-02-24 at 2.36.38 PM
Em relação às cólicas, 66% das entrevistas afirmam sentir dores todos os meses, sendo que 15% sentem dores extremamente fortes e 46%, fortes. O quadro, frequentemente, é acompanhado por outros incômodos, como dores de cabeça, dores nas costas e no corpo em geral. Quando se fala especificamente da dor de cabeça, 32% das mulheres afirmam sentir mais de uma vez por semana e 24%, pelo menos uma vez por semana. A intensidade da dor é forte para 40% das entrevistadas.

A convivência com a dor é tão próxima que, para 23% das mulheres, ela é um incômodo que faz parte do universo feminino e que se deve aprender a conviver com a mesma. Mais de 40% delas esperam a dor atingir um nível insuportável para tomar um medicamento. Outras esperam sentir a dor por cerca de meia-hora, mesmo que em intensidade moderada ou baixa, para se medicarem. Uma vez medicadas, o efeito mais desejado pelas brasileiras (86%) é o alívio imediato.

Como tratar?

Tão importante quanto o diagnóstico correto é lançar mão dos recursos apropriados para controlar a dor. Toda dor tem tratamento e pode ser atenuada, mas nem todas as dores são curáveis. O importante é que o paciente seja assistido por um profissional que contemple um programa multidisciplinar que se adapte da maneira mais eficiente possível para o seu caso e lhe permita mais qualidade de vida.

O que todos os pacientes esperam é o alívio imediato e eficaz, sem reincidência do problema. Isso justifica o grande consumo de analgésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios, que, em geral, integram a classe dos AINES (anti-inflamatórios não hormonais) e são voltados para o alívio das dores tensionais.

Os principais analgésicos isentos de prescrição comercializados no mercado brasileiro são ibuprofeno, paracetamol, ácido acetilsalicílico e dipirona.
A atenção farmacêutica prestada em farmácias e drogarias tem grande importância no tratamento, já que, normalmente, a maioria dos pacientes compra os medicamentos por livre escolha.
Cabe ao profissional assegurar-se do que o paciente já fez uso, para verificar que não tenha tido nenhum efeito adverso importante.

O Conselho Regional de Farmácia, do Estado de São Paulo (CRF-SP), recomenda que o farmacêutico pergunte o motivo da compra, há quanto tempo o paciente sente a dor, se tem outros problemas de saúde, para com isto identificar se é cabível a indicação de um Medicamento Isento de Prescrição (MIP).

Autor: Flávia Carbó, Lígia Favoretto e Vivian Lourenço

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Público feminino

Edição 267 - 2015-02-01 Público feminino

Essa matéria faz parte da Edição 267 da Revista Guia da Farmácia.

Deixe um comentário