As ações bem definidas da Aspen Pharma

Está no DNA da Aspen Pharma promover saúde e acesso por meio de seus produtos ou pela iniciativa de apoiar causas sociais

O câncer infanto-juvenil é considerado uma das principais causas de morte entre crianças e adolescentes. Só perde para os acidentes domésticos, que estão em primeiro lugar.

Pensando nisso, o laboratório sul-africano Aspen Pharma e o Instituto Ronald McDonald fecharam uma parceria em prol dos acometidos pela doença. Desde maio último, diversas atividades estão sendo desenvolvidas pela farmacêutica para engajar seus funcionários à causa e difundir mais informações sobre o câncer infanto-juvenil no País.

Para falar sobre a iniciativa e demais projetos da empresa, o CEO da Aspen Pharma no Brasil, Alexandra França, concedeu uma entrevista exclusiva ao Guia da Farmácia.

O executivo lembra que ações sociais fazem parte do DNA da Aspen mundialmente e que essa nova parceria envolve uma grande causa, que é difundir o combate ao câncer infanto-juvenil e gerar conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce por meio de diversas iniciativas que envolvem os colaboradores. “As atividades que vamos desenvolver esse ano não só ajudam a manter o Instituto financeiramente, como também estimulam a propagação do tema e do trabalho desenvolvido em prol de crianças e adolescentes com a doença.”

A Aspen Pharma do Brasil é subsidiária da Aspen Pharmacare, marca líder no continente africano e uma das 20 maiores do segmento de branded generic no mundo. A Aspen Pharmacare possui 18 plantas produtivas em 14 países, nos seis continentes, e fornece medicamentos para mais de 150 países. O Grupo entrou oficialmente no mercado brasileiro de medicamentos em 2009, após adquirir 100% da Cellofarm, com sede no Rio de Janeiro.

A missão da Aspen do Brasil é abastecer o mercado interno, além de garantir a expansão do Grupo na América Latina, com foco em crescimento através de aquisições globais com outras multinacionais. Para isto, tem recebido investimentos que conferem maior competitividade em infraestrutura e em seu portfólio de produtos.

A Aspen possui uma linha abrangente que engloba medicamentos de marca, similares, genéricos, fitoterápicos, biológicos, alimentos e cosméticos que fazem parte do dia a dia dos consumidores brasileiros.

A grande estratégia de crescimento vem sendo as aquisições de grandes marcas. Como mais recente exemplo, desde agosto de 2012, a Aspen Pharma passou a comercializar o Leite de Magnésia de Phillips, Kwell e Nedax, anteriormente da GlaxoSmithKline (GSK). Além de expandir o leque de atuação no mercado através de aquisições, a empresa também planeja lançamentos próprios.

Guia da Farmácia • Por que a Aspen Pharma escolheu o Instituto Ronald McDonald para a parceria e qual a importância de se realizar ações sociais como essa?

Alexandre França A Aspen Pharma já tem um histórico de ações sociais. Queremos que isso fique como DNA da empresa e, até então, não tínhamos uma ação que entrasse na nossa estratégia e que tivesse um planejamento de longo prazo. Começamos a procurar, a olhar no mercado algo que coubesse no nosso objetivo e aí veio o Instituto Ronald McDonald. Tivemos uma primeira conversa com o presidente do Instituto, Francisco Neves, e já nesse primeiro encontro podemos dizer que “deu um clique”.

Percebemos que existiam visões em comum, objetivos muito semelhantes e decidimos rapidamente que seria uma parceria. A segunda conversa já foi muito mais para desenhar como seria essa parceria, como seria esse planejamento, porque a decisão já estava tomada. Teremos ações em datas específicas, marcantes, que signifiquem algo ou para o Instituto ou para a Aspen Pharma. Acho que essa é a grande diferença de tudo o que a gente vinha fazendo no passado. Antes eram ações mais pontuais, mas agora, além do coração, a gente tem a razão. A gente tem a visão de longo prazo e, hoje, se o Alexandre França sair da Aspen Pharma, tenho a absoluta certeza de que o projeto continua, porque agora não é mais um DNA individual, é um DNA da corporação.

Guia • Quais são as ofertas da Aspen Pharma para o projeto?

França • Essa é a coisa mais bacana da parceria, ela não é engessada. Ela não diz: “você tem que fazer todo mês um depósito”, ou outra coisa. O grande lance da parceria é a flexibilidade. Então, pode tanto ser umsuporte financeiro, como pode ser um suporte material ou humano. Vai depender de cada situação, de cada evento. A gente quer participar ativamente de tudo, não só com dinheiro, mas com pessoas.

Guia • Isso envolve a população também?

França • De certa forma sim, porque envolve o público que o Instituto cobre, as crianças e suas famílias. Envolve indiretamente os colaboradores da Aspen, os personagens que vão participar, as famílias em torno disso. Esse é nosso maior objetivo.

Guia • Quantas crianças são atendidas?

França • Na casa do Instituto Ronald McDonald do Rio de Janeiro são 100 crianças.

Guia • Mudando um pouco de assunto e falando sobre perspectivas de atuação no canal farma, como a Aspen Pharma avalia 2018, até agora?

França • Se a gente comparar com 2017, está bem melhor. E não só no sentido de números, mas no sentido de espírito de confiança, de comportamento. Você vê o mercado mais disposto a crescer, mais aberto a negócios, a parcerias, a iniciativas. Em 2017, você tinha redes de farmácias e distribuidores bem conservadores – com razão –, bastante reticentes em assumir riscos. Agora, vemos pessoas dispostas a conversar novamente sobre propostas do passado. Pela minha experiência, os números são consequência desse comportamento. A partir do momento que as pessoas aceitam conversar, aceitam riscos de novos negócios, os números vêm. Então acho que 2018 será muito melhor que 2017.

Guia • Você percebe uma tendência maior para alguma classe medicamentosa, para um nicho específico de mercado?

França • No caso da Aspen, a nossa linha de anestésicos está indo muito bem. Na verdade, é fácil explicar, porque todo dia tem alguém sendo operado. E à medida que a situação econômica começa a melhorar, essas atividades começam a ser retomadas. E o mais importante é que antigamente a linha de anestésicos era muito atrelada ao governo. As nossas estratégias recentes se descolaram do governo; temos agora negócios privados. Até porque o negócio público é sempre o último a se recuperar, quando você vem de uma recessão.

Guia • E no varejo farmacêutico?

França • Os negócios de OTC [Over The Counter – Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs)] estão indo muito bem e eles são medicamentos extremamente ligados à recuperação econômica. São quase produtos de consumo, ainda que sejam medicamentos. Se a economia começa a reagir, os MIPs seguem essa tendência. Mas se você olhar o setor farmacêutico como um todo, ele está mostrando sinais de recuperação – genéricos, medicamentos de prescrição etc.

Guia • Essa tendência faz parte de um movimento de autocuidado?

França • Exatamente. A gente tem um cuidado muito grande de explicar a diferença da autoprescrição para o autocuidado. Nenhuma indústria farmacêutica séria incentiva a autoprescrição, até porque é perigoso. O autocuidado é mais amplo e seguro, é fazer os exames regularmente, ter uma vida saudável, cuidar da alimentação e, se necessário, tomar o medicamento adequado baseado em uma orientação médica. Se é uma coisa pequena, em 24 horas tem que passar; se não passou, não insiste, vai ao médico.

Guia • Existe uma máxima no mercado de que algumas doenças crônicas poderiam ser evitadas se fossem tratadas com o uso de MIPs. A Aspen acredita nisso?

França • A gente acha exatamente isso. Se for falar de um paciente que tem hipertensão, ele não precisa ir ao médico toda vez que vai tomar o medicamento; ele sabe que vai tomar o medicamento o ano todo. Ele vai ao médico, é diagnosticado, o médico prescreve o medicamento, depois disso entra em uma rotina.

Isso facilita até os processos no Sistema Único de Saúde (SUS). Você tem uma fila imensa para tratar dor de cabeça, diarreia, enjoo – sem querer minimizar o problema, mas essas doenças ocupam a hora do médico, que deveria ser investida em pessoas com sintomas ou doenças muito mais graves. Se você tem o autocuidado, você evita essa ida desnecessária ao médico.

Guia • Como vocês determinam o que vêm da África para o Brasil?

França • Esse é um ponto bem bacana. Primeira coisa: a Aspen não trabalha com expatriados, ou seja, diferente das multinacionais nas quais você tem presidente suíço em uma empresa suíça, um alemão em uma empresa alemã, a Aspen Pharma entende que quem conhece o mercado local, são os locais. Se você encontrar alguém de nacionalidade diferente é porque a gente contratou a pessoa aqui, não foi imposição da matriz.

Por conhecer o mercado, a gente tem mais liberdade de dizer o que funciona ou não no Brasil. Claro que às vezes tem discussões, não é perfeito. E aí, acabam um pouco as semelhanças com a África do Sul. Lá, tem alguns medicamentos que vendem muito e eles acham que aqui venderiam tremendamente. Mas o Brasil é um país com características bem diferentes de consumo de medicamentos quando comparado à África do Sul. Lá, fitoterápicos são produtos de primeira linha. Eu acho que é uma questão de maturidade de mercado. O mercado brasileiro é mais maduro, é mais criterioso, ele não acredita em qualquer “receitinha de vovó”.

A editora-chefe do Guia da Farmácia, Lígia Favoretto, viajou ao Rio de Janeiro (RJ) para o evento de lançamento da parceria Aspen Pharma e Instituto Ronald McDonald, quando realizou esta entrevista, a convite da Aspen Pharma.

  

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Tecnologia aplicada ao varejo

Edição 310 - 2018-09-01 Tecnologia aplicada ao varejo

Essa matéria faz parte da Edição 310 da Revista Guia da Farmácia.