fbpx

Da indústria ao varejo, transporte de medicamentos exige atenção diferenciada

Condições especiais são extremamente importantes e essenciais para assegurar a qualidade e a segurança dos produtos para que suas propriedades sejam preservadas

Da fábrica ao consumidor final, nos balcões e prateleiras das farmácias e drogarias, o medicamento percorre um longo caminho. Nesse processo, um item fundamental, e cada vez mais valorizado, é a logística. Para que o produto alcance o efeito desejado, a transportadora necessita de uma boa gestão operacional.

O primeiro passo, fundamental para qualquer operação de armazenagem e transporte de medicamentos, é cumprir uma série de exigências junto aos órgãos competentes, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). E não são poucas, muito pelo contrário. Além delas, é preciso estar de acordo e atender às boas práticas que assegurem que os serviços prestados sejam feitos de modo apropriado para o cumprimento de todas as etapas, todas elas acompanhadas por farmacêuticos responsáveis.

O armazenamento ou estocagem se faz necessário para melhoria na demanda da produção até a entrega ao consumidor final. Os medicamentos exigem condições especiais, por isso é extremamente importante e essencial um gerenciamento correto (entradas, saídas, controles através do código de barras, lote e validade), assegurando a qualidade e a segurança em ambientes monitorados, controlados, resfriados, refrigerados e até congelados.

Um detalhe importante é que, justamente de olho na qualificação das companhias que atuam no segmento, muito em breve o mercado deverá ganhar um selo de certificação para as empresas transportadoras. A iniciativa veio de um grupo de executivos e farmacêuticos que integram a Câmara Técnica de Transporte de Produtos Farmacêuticos (CT Farma) da NTC & Logística, que sabe o quanto é essencial cumprir à risca as exigências da indústria e do varejo.

Dentro desse contexto, a mão de obra qualificada, aliada a um eficiente processo de gestão, faz toda a diferença em uma empresa prestadora de serviços. Quem cumpre os requisitos primordiais sabe o que estou dizendo. Por isso é recomendável que todos, de farmacêuticos a gestores nas transportadoras, passem por treinamentos constantes. Ações corretivas e preventivas bem aplicadas também são ferramentas eficazes para melhoria contínua.

Como parte integrante de toda a cadeia farmacêutica, nós transportadores sabemos que, definitivamente, nosso papel é assegurar que os medicamentos cheguem aos pontos de vendas (PDVs) sem inconformidades e com todas as suas propriedades preservadas. Afinal, mais do que produtos, cuidamos de vidas também.

Foto: Shutterstock

Novos preços

Edição 317 - 2019-04-04 Novos preços

Essa matéria faz parte da Edição 317 da Revista Guia da Farmácia.

Sobre o autor

Clóvis A. Gil