fbpx

Excessos e falta de cuidado podem causar dor muscular

Exercícios físicos sem orientação, feitos de maneira exagerada ou errada, ou com sobrecarga, podem causar estiramentos do músculo, tensões, ruptura de fibras, entre outros problemas que geram inflamação e muita dor

Aos poucos, as pessoas estão buscando ser mais saudáveis, alimentando-se bem e praticando atividades físicas. Porém os exercícios podem se tornar um problema se não forem feitos com a supervisão de um profissional que ajude a entender como cada um deve ser realizado, qual a carga usada, entre outros detalhes que parecem não ter importância em um primeiro momento.

Isso porque os esportes podem causar lesões  e, consequentemente, dores musculares, comuns não somente aos atletas profissisonais, mas em praticantes amadores e até naqueles que decidem somente jogar futebol aos finais de semana, por exemplo.

“As principais causas de lesões são a falta de condicionamento físico, a prática esporádica de atividades físicas de forma mais intensa e o excesso de exercício para uma musculatura não preparada. A lesão muscular, também chamada de estiramento ou distensão muscular, é o resultado de uma lesão tanto no músculo como no tendão. Pode ser um simples estiramento, como uma pequena ruptura de fibras musculares, a um rompimento parcial ou completo na junção músculo-tendínea”, explica o ortopedista e subespecialista em cirurgia de coluna minimamente invasiva da Clínica Ortosul, Dr. Rodrigo Souza Lima.

Oportunidade ao ponto de venda

Não somente os medicamentos, mas os produtos ortopédicos, são comumentemente buscados por aqueles que sofrem com uma lesão muscular. Quando a farmácia não tem uma loja especializada por perto como concorrente, é interessante trabalhar este tipo de item para aumentar o tíquete médio de compra.

Talas, munhequeiras e suportes são alguns dos produtos que podem fazer parte da composição das vendas. Eles entram como itens complementares, ou seja, são vendas adicionais, e não de destino.
Os acessórios devem ser expostos próximos aos produtos de primeiros socorros e analgesia no ponto de venda (PDV). Porém é importante salientar que são produtos de baixo giro e que ocupam muito espaço, por isso, o custo-benefício se justifica somente se não houver casas especializadas na região.

Fonte: consultora especializada em varejo farmacêutico, Silvia Osso

Ou seja, a contusão acontece quando o músculo é submetido a uma força súbita de compressão. No estiramento, o músculo sofre uma força excessiva, levando à sobrecarga e à ruptura. As lesões podem acontecer durante qualquer tipo de atividade, basta que o músculo sofra uma pressão ou força maior do que a que está acostumado.

Segundo a farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), Maria Aparecida Nicoletti, as lesões mais comuns são as decorrentes do excesso de uso, ou seja, do efeito cumulativo do estresse nas estruturas anatômicas, como traumatizar músculos, tendões, cartilagem, ligamentos, bolsas, fáscia e osso em quaisquer combinações, e estão relacionadas a fatores extrínsecos (como erros de treinamento, equipamentos, condições do ambiente etc.) e/ou intrínsecos (fraqueza muscular, assimetria de membros, lesões anteriores etc.).

Entre as lesões mais comuns, estão aquelas de membros inferiores, principalmente da região posterior da coxa. Há, ainda, as lesões de quadríceps (anterior) e do gastrocnêmio (panturrilha).

“As dores lombares, geralmente, ocorrem por sobrecarga mecânica, ao realizar exercícios de levantamento de peso de maneira errada, ficar muito tempo em uma posição viciosa e pelas posturas incorretas no dia a dia. Tudo isso pode contribuir com as dores nas costas. É importante ressaltar que 80% das dores lombares não possuem causa ou diagnóstico específico, porém, é necessária uma correta avaliação de um profissional para se descartar doenças mais graves”, alerta o coordenador científico do Núcleo de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital Sírio-Libanês e ortopedista do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), Dr. Tiago Lazzaretti.

Para diminuir as chances de sofrer com os estiramentos, as pessoas podem tomar algumas pequenas precauções. De acordo com o médico do esporte e coordenador do Centro de Medicina do Esporte do Hospital 9 de Julho, Dr. Ricardo Nahas, é preciso ter bom condicionamento físico, mantendo músculos abdominais e paravertebrais fortalecidos, além de se sentar corretamente, mantendo costas e pés apoiados, e deixar os objetos de trabalho à mão; isso auxilia na postura e diminuição das dores.

Cada esporte tem inclinação para um tipo de lesão diferente, de acordo com os músculos mais usados durante a sua prática. No caso do futebol, os machucados mais comuns são nos músculos isquiotibiais ou “posteriores da coxa”. Na corrida, são dores nos tendões relacionados aos músculos dos quadríceps (tendinopatia patelar e quadriceptal) e músculo da fáscia lata (trato iliotibial); a caminhada, geralmente, não causa dores musculares se praticada com material esportivo adequado, como tênis. Pode haver alguma dor nas articulações dos joelhos, por exemplo, se a pessoa não estiver com a musculatura dos membros inferiores bem trabalhada.

“A natação, normalmente, causa lesões musculares ou tendinopatias nos membros superiores, como é o caso das lesões do ombro ou manguito rotador. O cross fit e a musculação podem causar lesões de acordo com o local ou músculo que está sendo trabalhado em excesso”, adiciona o Dr. Lazzaretti.

Os dois últimos, assim como o futebol, costumam apresentar maior incidência de lesão por serem exercícios de explosão, velocidade e força, segundo informa o Dr. Nahas. Já esportes como a natação e a caminhada, por exigirem resistência dos músculos, apresentam menos contusões.

Exercícios físicos sem orientação, feitos de maneira exagerada ou errada, ou com sobrecarga, podem causar estiramentos do músculo, tensões, ruptura de fibras, entre outros problemas que geram inflamação e muita dor

Para que as lesões diminuam ou não incomodem tanto, é preciso que as pessoas tenham um bom condicionamento físico. Além disso, é indicado fazer alongamentos musculares antes e depois dos exercícios, fortalecimento muscular, manter uma alimentação saudável e praticar as atividades físicas de forma progressiva.

Medicamentos tópicos e locais

Anti-inflamatório oral: a inflamação é uma resposta do sistema imunológico a uma infecção ou lesão nos tecidos, aumentando o fluxo sanguíneo na região atingida para facilitar o transporte das células do sistema imunológico contra o agente agressor. Os anti-inflamatórios atuam amenizando ou impedindo manifestações do processo inflamatório como calor, rubor e dor. Os mais usados para traumas e contusões são os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs).

Analgésicos: podem ser classificados como analgésicos não opioides, analgésicos opioides (narcóticos) e analgésicos adjuvantes (que são administrados por outra razão que não dor, mas que podem contribuir para minimizá- -la). Os mais usados no caso de lesões musculares são os não opioides como o ácido acetilsalicílico, paracetamol, ibuprofeno e dipirona sódica.

Adesivos térmicos: a disponibilização de adesivos térmicos, particularmente os que fornecem calor, poderá manter aquecido o local por aproximadamente oito horas.

Bolsas para alívio de dores e inchaço: em relação à colocação de gel, há possibilidades como o aerossol “ice”, que deve ser aplicado sobre uma toalha e, em seguida, no local machucado. As bolsas de gelo instantâneo, tipo “icebag”, são descartáveis, de uso imediato e podem ser utilizadas por até 40 minutos. Após ativadas, diminuem a temperatura em até -3ºC.

Fonte: farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), Maria Aparecida Nicoletti

Mas caso o atleta já esteja sofrendo com algum problema, certas medidas podem ajudar a curar a lesão. O tratamento inicial deve ser feito com repouso, aplicação de gelo por 20 minutos, proteção do membro com um imobilizador, compressão com esparadrapagem ou faixa, e elevação. Em um segundo momento, pode ser necessário realizar fisioterapia com analgesia, alongamentos, fortalecimento e posterior retorno aos movimentos do esporte.

“A dor pode ser aliviada, inicialmente, com o uso de gelo no local acometido, além do repouso e da proteção do referido músculo ou grupo muscular. Não se recomenda, após a suspeita de uma lesão, continuar na partida ou jogo”, salienta o médico do Hospital Sírio-Libanês.

Há, também, medicamentos de uso tópico que contêm fármacos como, por exemplo, salicilato de metila, extrato de beladona, cânfora e arnica para o alívio de dores localizadas em articulações e músculos. Pode ser necessária, ainda, a administração de anti-inflamatórios de uso tópico ou de uso oral, conforme o quadro apresentado.

“Além disso, há a possibilidade de utilização de bolsas de gelo que são aplicadas no local, principalmente após a ocorrência dos eventos, por um tempo restrito e que devem ser repetidas três vezes ao dia, nos dois primeiros dias. Isso reduzirá o inchaço e a dor, além de limitar a extensão da lesão”, comenta Maria Aparecida.

Já as bolsas de água quente nunca devem ser usadas logo após a lesão ou se o local apresentar sinais de inflamação, pois o calor contribui para a piora do quadro. Elas são indicadas no caso de alguma tensão muscular crônica, isto é, algum músculo tenso, pois o calor alivia a contração muscular excessiva apenas temporariamente.

Foto: Shutterstock

Contra o tabagismo

Edição 309 - 2018-08-01 Contra o tabagismo

Essa matéria faz parte da Edição 309 da Revista Guia da Farmácia.

Sobre o colunista

Guia da Farmácia

Premiado pela Anatec na categoria de mídia segmentada do ano, o Guia da Farmácia é hoje a publicação mais conhecida e lembrada pelos profissionais do varejo farmacêutico. Seu conteúdo diferenciado traz informações sobre os principais assuntos, produtos, empresas, tendências e eventos que permeiam o setor, além de Suplementos Especiais temáticos e da Lista de Preços mais completa do mercado.