Infecções de garganta, nariz e ouvido: conexões doloridas

As infecções que acometem os sistemas respiratório e auditivo estão relacionadas e podem se tornar mais graves se não bem cuidadas. Anti-inflamatórios e analgésicos fazem parte do tratamento

Pequenos canais ligam a garganta, o nariz e o ouvido. Ainda que essa não seja uma lembrança do dia a dia, ao ter uma infecção em uma dessas regiões, fica clara – principalmente com a dor e o incômodo – a ligação entre eles. Uma dor de garganta pode, por exemplo, ser a responsável por uma infecção no ouvido.

O sufixo “ite” entre doenças significa inflamação. Crônicas ou não, as doenças que acometem o sistema respiratório e auditivo podem causar dor e incômodo, se não forem bem tratadas. Entender a diferença entre cada uma delas e como cuidar delas é essencial na orientação correta.

“Basicamente, não existem diferenças ao pensar nos agentes causadores dessas doenças, que podem ser os vírus ou as bactérias, sem se esquecer dos fungos que causam as micoses, principalmente, no conduto auditivo externo”, revela o otorrinolaringologista do Hospital CEMA, Dr. Cícero Matsuyama.

Porém, apesar dos causadores serem os mesmos, sintomas e tratamentos dependem de qual parte do corpo foi acometida. É aí que entra a importância de saber a diferença entre as infecções mais comuns.

As principais doenças de garganta são as rinofaringites, as laringites e as amigdalites. Ou seja, cada uma delas significa a inflamação em alguma parte do sistema respiratório: faringe, laringe ou amígdalas. Elas causam dor local, dificuldade de deglutição, febre, mal-estar, dores musculares e dor para se alimentar (por conta da passagem do alimento).

“A laringite já é um pouco diferente porque ela leva à rouquidão. Uma das características de quem tem a patologia é a tosse. Ainda que os acometidos pela amigdalite e pela faringite também possam ter tosse, a dor local é o sintoma em maior evidência”, comenta o otorrinolaringologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. Danilo Anunciatto Sguillar.

Já as patologias que acometem o ouvido são as otites, que podem ser externas ou médias. As médias estão mais relacionadas ao inverno e as externas mais ao verão. Isso porque as otites externas acontecem, normalmente, pelo excesso de água no ouvido, comum quando as pessoas passam muito tempo em piscinas ou no mar, sendo consideradas doença “de nadador”.

Já as otites médias acontecem, principalmente, a partir de uma sinusite ou uma rinofaringite. A interligação entre a garganta, o nariz e os ouvidos faz com que o acúmulo de secreção corra para o ouvido médio, acumulando-se na região.

“Um dos nervos responsáveis pela sensibilidade da garganta inerva, também, o conduto auditivo externo, por isso, uma pessoa tem dor de ouvido, principalmente na deglutição, quando está acometida por uma inflamação de garganta”, complementa o Dr. Matsuyama.

Um vilão chamado inverno

De acordo com o otorrinolaringologista do Hospital Santa Catarina, Dr. José Carlos Burlamaqui, na época de inverno, quando a temperatura está instável e o ar seco, o muco fica muito espesso e acaba ficando nos seios do rosto, piorando os quadros das infecções.

“As pessoas que mais sofrem são aquelas que, imunologicamente, são mais suscetíveis, crianças pequenas e as pessoas mais velhas. Acometidos por diabetes, em sua forma muito grave, submetidos a implantes, HIV positivo com carga viral alta e obesos são outros grupos de risco”, comenta ele.

Como evitar o problema

A transmissão dos vírus é feita por meio das secreções das tosses e dos espirros. Portanto, lavar as mãos corretamente e frequentemente é essencial para não transmitir ou contrair as doenças. Além disso, ao espirrar ou tossir, é necessário proteger a boca e o nariz com lenços ou com a parte interna do braço.

“O fator imunológico está diretamente ligado às patologias. Um quadro que começa com uma amigdalite e vira bacteriano pode ocorrer por alguns motivos, como dormir pouco, se alimentar mal, o que gera uma piora do quadro. Para evitar isso, é aconselhável que o paciente beba bastante água, durma sempre no mesmo horário, alimente-se bem e tenha um estilo de vida saudável como um todo. Além disso, evitar o contato com pessoas doentes e manter os lugares arejados são atitudes que ajudam”, comenta o otorrinolaringologista da BP.

O médico explica, ainda, que os ditos populares também podem estar corretos. Dormir e sair de casa com o cabelo molhado, tomar friagem e andar descalço são exemplos de maneiras de resfriar o corpo, fazendo a imunidade oscilar. Com isso, crescem as chances do corpo ser acometido por uma doença.

Quando a pessoa já está infectada, analgésicos e antitérmicos ajudam a diminuir o incômodo. Existem, também, dois tipos de anti-inflamatórios: não hormonais e hormonais. O primeiro são os mais comuns, como o ibuprofeno e a nimesulida. Já os hormonais são os corticoides. É possível tratar as infecções de garganta e ouvido de cunho viral com os dois tipos de medicamentos.

“Os quadros inflamatórios surgem quando há um aumento da produção de prostaglandina. A prostaglandina é gerada por meio da ação de uma enzima chamada Ciclooxigenase (COX). Os anti-inflamatórios agem inibindo a ação da COX. Sem COX, há menor produção de prostaglandinas e menos estímulos para ocorrer inflamações”, ensina a farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), Maria Aparecida Nicoletti.

Por outro lado, o otorrinolaringologista do Hospital CEMA alerta para o uso de anti-inflamatórios sem prescrição médica, que pode ser extremamente perigoso. A primeira orientação para as pessoas acometidas deve ser a utilização de analgésicos (dipirona ou paracetamol), pois essas afecções são autolimitadas, devendo melhorar em aproximadamente cinco dias.

No caso de infecções bacterianas, é necessária a prescrição médica de antibióticos. De acordo com a farmacêutica, essas são algumas das principais classes disponíveis no mercado:

  • Betalactâmicos: têm como mecanismo de ação a inibição da síntese da parede celular bacteriana.
  • Antibióticos que alteram a topoisomerase: interferem na ação da enzima topoisomerase II no superenovelamento do DNA bacteriano, não permitindo sua transição ou replicação.
  • Polimixinas: agem alterando os fosfolipídios da membrana celular da bactéria.
  • Glicopeptídeos: agem inibindo a síntese da parede celular bacteriana.

“As imunizações preconizadas na rede pública ou privada têm ajudado muito na prevenção das possíveis complicações, porém a procura pela assistência médica adequada e especializada, nos casos da não melhora após alguns dias da instalação da doença, se faz necessária para um bom restabelecimento corporal dos pacientes”, alerta o otorrinolaringologista do Hospital CEMA.

A orientação pela procura de um médico deve ser feita quando o paciente reclama de dores persistentes no ouvido e garganta que levem à dificuldade de deglutição, quando houver dificuldade de abrir a boca, dificuldade respiratória ou apresentar febre muito alta.

Os quadros arrastados, que duram mais de cinco a sete dias, merecem atenção especial. É preocupante quando não há melhora ou há piora ou um quadro que tem uma leve melhora e afunda novamente. Nesse momento, a doença pode ser bacteriana, necessitando de uma avaliação médica.

Foto: Shutterstock

Terceira idade em destaque

Edição 307 - 2018-06-01 Terceira idade em destaque

Essa matéria faz parte da Edição 307 da Revista Guia da Farmácia.

Sobre o autor

Guia da Farmácia

Premiado pela Anatec na categoria de mídia segmentada do ano, o Guia da Farmácia é hoje a publicação mais conhecida e lembrada pelos profissionais do varejo farmacêutico. Seu conteúdo diferenciado traz informações sobre os principais assuntos, produtos, empresas, tendências e eventos que permeiam o setor, além de Suplementos Especiais temáticos e da Lista de Preços mais completa do mercado.