Mitos e verdades sobre as frieiras

Causadas por fungos, as micoses nos pés podem ser um tormento aos acometidos, gerando prurido de moderado a intenso

Umidade, calor, fricção e maceração facilitam a infecção por fungos. Ambientes contaminados, como banheiros, chuveiros, vestiários e piscinas, somados a uma série de fatores individuais, também contribuem para a manutenção da infecção fúngica e, entre elas, a micose nos pés1. Popularmente conhecido como frieira ou pé de atleta, esse tipo de micose é mais comum entre os dedos dos pés, mas pode afetar a lateral e região da planta do pé, e outras áreas, como a região inguinal ou virilha2.

Para esclarecer dúvidas recorrentes sobre o tema, a Bayer respondeu sobre mitos e verdades que podem ajudar o farmacêutico no esclarecimento de questões recorrentes que chegam ao balcão. Acompanhe.

A frieira só ocorre entre os dedos dos pés.

Mito. Embora costume ocorrer entre os dedos, a frieira também pode aparecer na sola, no calcanhar e nas laterais dos pés, podendo se espalhar para as unhas, que ficam descoloridas, grossas e quebradiças. Este tipo de micose também pode acometer as mãos e aparecer em áreas de dobras, como virilhas, axilas e embaixo das mamas. Para evitar que isso aconteça, caso esteja infectado, é importante usar toalhas diferentes para os pés e para o resto do corpo, e lavar sempre as mãos depois de aplicar qualquer medicamento.

Frequentar piscinas pode causar frieira.

Verdade. Altamente contagiosa, a frieira pode ser transmitida, principalmente, em áreas comuns como piscinas, vestiários e saunas. Uma pessoa fica suscetível ao contágio quando os pés entram em contato com água contaminada ou superfícies em que haja a presença do fungo. Para evitar a contaminação, deve-se proteger os pés com chinelos e mantê-los secos.

O pé de atleta só se propaga no verão.

Mito. A infecção pode se desenvolver em qualquer época do ano. Durante o inverno, por exemplo, o uso de botas e meias sintéticas fazem com que os pés retenham o suor, deixando-os abafados e mais úmidos, o que favorece a proliferação dos fungos. Por isso, é importante optar pelas meias de algodão, seda ou lã, que absorvem o suor e deixam a pele respirar. Além disso, trocar as meias todos os dias e não utilizar o mesmo calçado por dois ou mais dias seguidos – colocando-os no sol com frequência –, também são fundamentais na prevenção do problema.

Pessoas com baixa imunidade ficam mais predispostas à ocorrência de frieiras.

Verdade. Quando uma pessoa está com o sistema imunológico debilitado, o corpo enfrenta dificuldades para combater infecções. Como o pé de atleta é uma infecção por fungos, a pessoa com imunidade baixa tem maior risco de incidência de frieira.

As frieiras melhoram com o tempo e não precisam de um tratamento específico.

Mito. Por se tratar de uma infecção causada por fungos, esses microrganismos podem continuar infectando a pele por tempo indeterminado. Para tratar a micose, é preciso utilizar um medicamento antifúngico. O quanto antes a pessoa iniciar o uso do medicamento adequado, mais rápido a frieira será eliminada.

Frieiras são mais preocupantes em pessoas com diabetes.

Verdade. Algumas pessoas, mesmo tomando os devidos cuidados, acabam ficando mais suscetíveis à infecção. Pacientes com diabetes, por exemplo, devem estar mais atentos e enxergar a frieira como um sinal de alerta. O diabetes pode reduzir a sensibilidade nas extremidades do corpo e complicar quadros infecciosos. Portanto, manter os pés sempre arejados e secos, e sempre que observarem alterações na pele dos pés ou unhas, os diabéticos devem procurar o atendimento médico.

Passar talco entre os dedos e nos pés pode ajudar no tratamento da frieira.

Mito. O uso de talco vai auxiliar no controle de umidade nos pés, mas não será capaz de combater os fungos. Somente o tratamento com antifúngico poderá eliminar os microrganismos que causam o pé de atleta.

É possível pegar frieira usando o sapato de alguém que tenha a infecção.

Verdade. Não apenas sapatos, mas compartilhar esteiras, tapetes, roupas de cama e vestimentas com alguém infectado, além de andar descalço em áreas onde a infecção pode se espalhar, como vestiários, saunas, piscinas, banheiras e chuveiros comuns, podem desencadear o desenvolvimento da infecção. A susceptibilidade individual também é um fator importante.

Quem tem frieira não pode fazer exercícios físicos.

Mito. A pessoa pode praticar esportes, mas tomando os devidos cuidados para evitar a propagação da doença. Não ficar descalço em vestiários, caprichar na higiene, lavando e secando bem os pés, e optar pelo uso de meias de algodão.

Lavar e secar bem os pés ajudam a prevenir frieiras.

Verdade. Manter os pés limpos e secos é essencial para a prevenção da doença. Assim, é importante secar bem entre os dedos e não compartilhar toalhas, calçados ou meias com outras pessoas, além de ser recomendado realizar a limpeza frequente desses itens.

Frieira é um problema simples e permite a automedicação.

Mito. As frieiras podem ser causadas por diferentes fungos e fatores. Por isso, é fundamental consultar um médico se não tiver certeza do diagnóstico ou se os sintomas persistirem após o tratamento. A prescrição médica irá indicar, além do medicamento, a dosagem e o tempo adequados para o tratamento, que pode ser diferente de uma pessoa para outra.

Fonte: Guia da Farmácia
Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Mercado Aquecido

Edição 353 - 2022-04-19 Mercado Aquecido

Essa matéria faz parte da Edição 353 da Revista Guia da Farmácia.