Normas sobre correlatos

Quem deve ser responsabilizado por possíveis defeitos

A farmácia é um estabelecimento empresarial onde, além de se poder prestar uma gama de serviços farmacêuticos, podem ser comercializados produtos correlatos (art. 3º, Lei 13.021/14), entre os quais os aparelhos de medição de temperatura corporal (termômetros, de glicose e pressão arterial (art. 4º, inciso IV, Lei 5.991/73).

O primeiro cuidado que uma farmácia precisa ter é confirmar se tais produtos se encontram devidamente registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou em outros órgãos competentes (arts. 1º e 2º, Lei 6.360/76), sob pena de infração sanitária.

No entanto, estes e outros produtos correlatos comercializados em farmácias por todo o País chegam ao estabelecimento devidamente lacrados, mas, por vezes, contendo defeitos que somente poderão ser constatados pelo consumidor que os adquirir.

Se o consumidor comprar, por exemplo, um termômetro e ao utilizá-lo constatar que o mesmo não funciona, de quem será a responsabilidade, se o mesmo vem lacrado da fábrica?

Em um primeiro momento, poderia se afirmar: o responsável é o fabricante, pois a farmácia não apenas não fabrica, como o vende devidamente lacrado em sua embalagem original, além do fato do fabricante ser facilmente identificado na embalagem do produto (interpretação ao artigo 13, da Lei 8.078/90).

No entanto, tem sido recorrente a condenação de farmácias (juntamente com os fabricantes) a indenizar os consumidores pela venda de produtos defeituosos, mesmo que estes venham lacrados da fábrica.

O fundamento legal dos magistrados se encontra no parágrafo único do artigo 13 da Lei 8.078/90:

Art. 13. …

Parágrafo único. Aquele que efetivar o pagamento ao prejudicado poderá exercer o direito de regresso contra os demais responsáveis, segundo sua participação na causação do evento danoso.

Os juízes entendem que se a farmácia vendeu o produto defeituoso – mesmo que não tendo ciência do defeito –, é corresponsável com o fabricante, pois com a venda do produto, teria lucro ou outra vantagem e, assim, assumiria o risco do negócio. Caso seja condenada sozinha, pode buscar do fabricante a indenização que pagou ao consumidor.

Por isso é tão relevante qualificar os fornecedores de cada farmácia, estabelecendo um canal direto de contato para problemas existentes quando do surgimento de reclamações por parte de consumidores em relação a defeitos de fabricação.

Portanto: atenção!

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Substituição Otimista

Edição 289 - 2016-12-01 Substituição Otimista

Essa matéria faz parte da Edição 289 da Revista Guia da Farmácia.

Sobre o colunista

Gustavo Semblano

Advogado e consultor jurídico da Associação do Comércio Farmacêutico do Estado do Rio de Janeiro (Ascoferj) e da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag), regional estado do Rio de Janeiro. Atualmente, pós-graduado em Direito da Farmácia e do Medicamento na Faculdade de Direito de Coimbra (Portugal)

Deixe um comentário