fbpx

Os exageros das festas do fim do ano

Comidas pesadas e bebidas alcoólicas são responsáveis por desconfortos. Moderar o consumo é o primeiro passo para que os pacientes não passem as férias sem saúde

O fim do ano é marcado pelo consumo exagerado de comidas gordurosas e bebidas alcoólicas. Os dias festivos e as reuniões familiares e entre amigos são sempre regados de cerveja, vinho, frituras, doces e outros desejos que acabam fazendo parte da vida de grande parte da população.

Mas o exagero tem um preço. É comum que as pessoas passem a reclamar de azia, má digestão, gases e outros desconfortos estomacais após o consumo exacerbado dessas comidas e de álcool. Isso acontece porque o estômago é muito sensível e sente quaisquer mudanças no momento da digestão.

“Em geral, no fim do ano, os indivíduos acabam abusando mais e por dias seguidos, não dá tempo de o estômago cicatrizar. Além disso, comem-se comidas mais pesadas e gordurosas, que prejudicam a digestão e agridem o estômago. As festas têm todos os agravantes: elevada quantidade de álcool em dias consecutivos e as comidas mais pesadas”, comenta o gastrocirurgião da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. Alexandre Sakano.

Não somente os excessos são prejudiciais ao estômago. Hábitos do dia a dia também modificam o seu funcionamento. A gastroenterologista do Hospital Moriah, Dra. Nilma Lucia Sampaio Ruffeil, revela que o hábito de comer rápido, mastigar pouco, engolir muito ar junto com a alimentação, pouco líquido e falta de atividade física também são fatores que influenciam.

Como curar a ressaca

Ainda não há alguma maneira definitiva para acabar com a ressaca no dia seguinte, mas existem formas de preveni-la ou suavizar os sintomas. Além de beber com moderação, alternar álcool com água dilui o etanol, diminuindo o efeito direto no Sistema Nervoso Central (SNC). Antes de começar a beber, as pessoas devem comer alguma coisa leve, para ajudar a diminuir os efeitos.
Caso a ressaca aconteça, é importante que os pacientes tomem muito líquido, não bebam mais álcool e tomem medicamentos para dor de cabeça e anti-inflamatórios para ajudar a acabar com os sintomas desagradáveis.

Fonte: especialista em cirurgia do aparelho digestivo e coloproctologia e coordenador do Centro de Robótica do Samaritano, Dr. Sérgio Zaladek Gil

O estômago libera ácido gástrico, usado na digestão, quando as pessoas comem. O estômago tem uma camada externa que o protege contra esse ácido, chamada de mucosa. Quando há o consumo de álcool ou comidas muito gordurosas, essa proteção diminui, facilitando as agressões ao órgão.

Para o especialista em cirurgia do aparelho digestivo e coloproctologia e coordenador do Centro de Robótica do Hospital Samaritano, Dr. Sérgio Zaladek Gil, as comidas muito gordurosas, pesadas e em grande quantidade também levam ao incômodo do estômago, aumento de gases, à distensão abdominal, azia e queimação. “O fim do ano sempre tem um momento de casos com problemas no trato intestinal. Entre os alimentos que mais causam problemas, estão as carnes vermelhas e o excesso de leite e seus derivados. Como são alimentos pesados, eles induzem a liberação de muitas enzimas e ácidos que ajudam na digestão, criando um desconforto abdominal. A pessoa se sente pesada, como se a digestão demorasse horas para acontecer.”

Ele lembra ainda que os corantes e conservantes irritam a parede gástrica, piorando o quadro de quem já tem sensibilidade prévia, assim como a goma de mascar, que aumenta a produção de ácidos. “As frituras e os embutidos levam a agentes que irritam a mucosa. Por fim, os açúcares e doces aumentam a produção de gases pela fermentação, piorando o desconforto intestinal”, exemplifica.

Segundo o especialista, o excesso de álcool, por si só, acaba levando a um efeito negativo na mucosa.

O que causam no estômago

Apesar das reclamações, nem sempre o incômodo é o mesmo. Segundo a Dra. Nilma, azia é uma sensação de queimação na região do peito (retroesternal), enquanto a má digestão é uma sensação de peso na região epigástrica (vulgo boca do estômago) após a alimentação.

“A azia é o retorno para o esôfago do conteúdo ácido do estômago. Isso acontece quando, por exemplo, a parede do estômago não está preparada para receber tanto ácido, causando queimação que sobe até o peito ou a garganta”, comenta o coordenador do Centro de Robótica do Hospital Samaritano.

A sensação de mal-estar e enjoo ocorre, normalmente, porque a presença do álcool e das comidas mais pesadas diminui a capacidade do estômago de fazer a digestão. Se a mucosa do estômago estiver inflamada, os sintomas são ainda piores.

Para diminuir ou acabar com os sintomas da azia, pode-se usar medicamentos que diminuem a produção de ácido ou fazem proteção local, como os antiácidos e o sucralfato (que faz uma proteção local e ajuda na proteção contra acidez). Os inibidores de bombas de próton, como omeprazol, bloqueiam a produção de ácido dali para frente.

Oriente seus clientes:

1. Sempre que for ingerir bebidas alcoólicas, comer alguma coisa leve antes.

2. Tomar bastante água, pois a desidratação leva à dor de cabeça, ao enjoo e à dor no estômago.

3. Comer devagar e mastigar bem os alimentos ajudam a evitar os transtornos estomacais.

4. Praticar atividade física auxilia no volume de gases.

5. Usar probióticos para o equilíbrio da flora intestinal.

Fontes: gastroenterologista do Hospital Moriah, Dra. Nilma Lucia Sampaio Ruffeil; e gastrocirurgião da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. Alexandre Sakano

De acordo com o gastrocirurgião da BP, os medicamentos que combinam anti-inflamatórios e antiácidos, muito procurados por quem sofre de ressaca, ajudam a reduzir os sintomas da inflamação que o álcool causa e revestem a mucosa do estômago para protegê-lo. Dessa forma, ajudam a diminuir os efeitos do álcool no corpo.

É importante orientar o paciente, também, a observar se os sintomas apresentados são resultado somente dos abusos de fim de ano ou se aparecem com facilidade e frequência, como os pacientes que necessitam tomar medicamentos quase que diariamente. Isso porque a pessoa pode ter alguma patologia ou lesão que não seja somente por ácido.

“O importante é que as pessoas tenham noção de que, mesmo no fim do ano, têm de comer moderadamente. Se vai para uma ceia em que não sabe o que será servido, comer alguma coisa antes para não chegar com muita fome no local e tomar moderadamente álcool”, aconselha o Dr. Zaladek Gil.

Foto: Shutterstock

Novo ano em vista

Edição 301 - 2017-12-01 Novo ano em vista

Essa matéria faz parte da Edição 301 da Revista Guia da Farmácia.