Os fatores que levam a lesões

Falta de orientação e exageros fazem com que atletas se machuquem e acabem deixando de praticar exercícios físicos. Gelo e repouso podem ajudar no caso de incômodos, mas a prevenção é a melhor saída

A prática de exercícios é benéfica para todas as pessoas e é indicada como uma das ações para ter uma vida mais saudável. Mas, em busca de saúde ou de um corpo mais bonito, as pessoas exageram e acabam se colocando em risco.

Uma modalidade praticada sem a orientação de um educador físico, com excesso de peso ou de intensidade e movimentos errados, pode causar lesões e contusões que acabam com a saúde do atleta, seja amador ou profissional.

“A contusão é uma lesão inerente ao esporte, principalmente aqueles de contato. Ela é uma lesão sem fratura dos tecidos moles do corpo, gerada pelo impacto mecânico de um agente externo sobre uma parte do corpo”, esclarece o fisioterapeuta esportivo da Clínica Fisio&Forma, Kalil Zipperer. Ou seja, pode ser uma pancada, uma batida ou uma lesão por um movimento brusco ou por desaceleração do movimento.

As lesões podem ser divididas, ainda, em dois grandes grupos: traumáticas ou por sobrecarga. “As lesões traumáticas ocorrem devido a um acidente, como quedas, torções ou pancadas (trauma direto). Já as lesões por sobrecarga ocorrem devido ao esforço excessivo, que pode ocorrer rapidamente (aguda) ou de forma cumulativa (crônica)”, explica o ortopedista do Núcleo de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital Sírio-Libanês, Dr. Adriano Marques de Almeida.

Entre os principais responsáveis pelo problema estão o aquecimento mal feito, a falta de alongamento e o exagero na intensidade do exercício.

O nível de cada lesão

As lesões musculares acontecem, geralmente, devido a uma contração muscular súbita que causa estiramento ou ruptura do músculo. Existem diversas classificações de lesões musculares, mas a mais comum as divide em três tipos:

  • Tipo I: ocorre um estiramento do músculo, mas não ocorre ruptura significativa das fibras musculares;
  • Tipo II: ocorre uma ruptura parcial dos músculos, acometendo algumas fibras;
  • Tipo III: ocorre uma ruptura total do músculo.

A dor ocorre em todos os graus de lesão, mas pode variar de intensidade. Nas lesões do tipo III, a perda de força é maior.

Tratamentos disponíveis

É essencial que o atleta se alongue antes e após as atividades físicas, além de realizar fortalecimento muscular, manter uma alimentação saudável e praticar as atividades de forma progressiva, para evitar as lesões.

Logo após se machucar, é recomendado que a pessoa pare o exercício praticado e faça repouso com aplicação de gelo por aproximadamente 20 minutos. De acordo com a farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), Maria Aparecida Nicoletti, há a possibilidade também de usar o aerossol “ice”, que deve ser aplicado sobre uma toalha e, em seguida, no local machucado. As bolsas de gelo instantâneo, tipo “icebag”, são descartáveis, de uso imediato, e podem ser usadas por até 40 minutos. Depois de ativadas, diminuem a temperatura em até -3ºC.

“A utilização de bolsas de gelo aplicadas no local, principalmente após a ocorrência dos eventos, por um tempo restrito e repetidamente três vezes ao dia, nos dois primeiros dias, reduz o inchaço e a dor, além de limitar a extensão da lesão”, diz ela.

Esportes x lesões

Natação

As lesões por trauma direto são muito raras, sendo as por sobrecarga mais comuns. A articulação mais afetada é o ombro, que pode apresentar lesões nos tendões do manguito rotador (conjunto de tendões internos do ombro).
As principais medidas preventivas são o fortalecimento muscular, incluindo exercícios específicos para os ombros e a técnica de movimento adequada.
Além disso, pode haver contusões ao bater as mãos ou a cabeça na borda da piscina, causando dor, edemas ou cortes leves.

Crossfit

O crossfit é um treino de alta intensidade que envolve muito peso, muito movimento rotacional e muita força. Devido à sobrecarga, os atletas sofrem com lesões em todo o corpo. O problema é que, normalmente, quem pratica a modalidade antes era sedentário, e os professores incentivam a aumentar a intensidade rapidamente, para que o resultado aconteça mais rápido. Porém a orientação deve ser ao contrário: começar devagar.
É importante respeitar os limites individuais, sempre iniciar uma nova série de exercícios com carga leve e ir aumentando progressivamente. Atividades de alongamento e flexibilidade são indicadas, porém não devem ser realizadas antes do treino, pois diminuem a eficiência da contração muscular. O ideal é realizar um treino de alongamento separadamente.

Futebol

Podem ocorrer tanto lesões por trauma direto (pancadas) quanto indireto. Nas lesões por trauma indireto, as mais comuns são as musculares. As entorses também são comuns, principalmente nos tornozelos e joelhos.
Merecem destaque as lesões do ligamento cruzado anterior, que causam instabilidade do joelho e, muitas vezes, requerem tratamento cirúrgico. A canela, o joelho, o tornozelo e a cabeça são os que mais sofrem com o trauma direto.
Como medidas preventivas, são recomendados o jogo limpo, evitar faltas ou jogadas agressivas, exercícios de fortalecimento muscular e alongamento e sempre realizar aquecimento antes de jogar.

Lutas

Assim como no futebol, a prática de lutas pode causar lesões por trauma direto ou indireto. Podem ocorrer entorses e até mesmo fraturas ou luxações (deslocamentos articulares). No judô, são mais comuns as lesões relacionadas à entorse de ombro, de joelho e tornozelo. Já os praticantes de boxe sofrem mais com lesões nas mãos e nos ombros. Os atletas de MMA podem ter lesão em qualquer parte do corpo. Ou seja, as lutas de solo têm mais riscos de lesões por entorse e as lutas com mais golpes têm mais contusões.
Para prevenir as lesões é preciso ter a técnica adequada, praticar dentro das regras estabelecidas, fazer exercícios de fortalecimento muscular e alongamento e se alongar antes de treinos e lutas.

Musculação

Apesar de poder ser prejudicial, a musculação é um esporte indicado para todo atleta. Independentemente de qual a modalidade praticada, é preciso que os músculos estejam bem preparados para o esforço físico. Se bem orientada e sem exageros, a musculação é um esporte que auxilia todos os atletas.
As lesões estão relacionadas ao excesso de carga e movimentos inadequados. Por isso, em caso de dor durante ou após os exercícios, os educadores físicos devem ser consultados e, na persistência dos sintomas, buscar avaliação médica.

Fontes: fisioterapeuta esportivo da Clínica Fisio&Forma, Kalil Zipperer; ortopedista do Núcleo de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital Sírio-Libanês, Dr. Adriano Marques de Almeida; e ortopedista do Hospital Santa Catarina, Dr. Emerson Garms

Por outro lado, as bolsas de água quente nunca devem ser utilizadas imediatamente após a lesão, pois se o local apresentar sinais de inflamação, o calor poderá piorar o quadro. Elas são indicadas no caso de alguma tensão muscular crônica, ou seja, algum músculo tenso, pois o calor alivia a contração muscular excessiva temporariamente.

Há ainda medicamentos de uso tópico com fármacos como: salicilato de metila, extrato de beladona, cânfora e arnica para o alívio de dores localizadas em articulações e músculos. Os adesivos térmicos, por exemplo, fornecem calor que poderá manter aquecido o local por aproximadamente oito horas.

Além disso, pode ser necessária a proteção do membro com um imobilizador, compressão com esparadrapagem ou faixa e elevação. Se mais sérias, é preciso o acompanhamento com um profissional de saúde para fazer fisioterapia com analgesia, alongamentos, fortalecimento e posterior retorno aos movimentos do esporte.

Fora os cuidados feitos diretamente no local, o atleta pode precisar também de medicamentos tópicos. Maria Aparecida explica que a inflamação é uma resposta do sistema imunológico a uma infecção ou lesão nos tecidos, aumentando o fluxo sanguíneo na região atingida para facilitar o transporte das células do sistema imunológico contra o agente agressor. Os anti-inflamatórios atuam diminuindo ou acabando com as manifestações do processo inflamatório, como calor, rubor e dor. Os mais utilizados no caso de lesões e contusões são os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs).

Já os analgésicos, usados para sanar a dor, são classificados como não opioides, opioides (narcóticos) e adjuvantes (administrados por outra razão que não dor, mas que podem contribuir para minimizá-la). Os mais usados no caso de lesões musculares são os não opioides, como o ácido acetilsalicílico, parecetamol, ibuprofeno e dipirona sódica.

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Tecnologia aplicada ao varejo

Edição 310 - 2018-09-01 Tecnologia aplicada ao varejo

Essa matéria faz parte da Edição 310 da Revista Guia da Farmácia.