Os gatilhos para a dor de cabeça

Quase 100% da população já se queixou de dores de cabeça

De acordo com a pesquisa A Dor no Cotidiano 2017, realizada por Advil com o apoio do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) Conecta, a maior parte dos entrevistados (82%) disse que o estresse era a principal causa das dores, além da falta de sono (73%). Por isso, o equilíbrio entre a vida pessoal, profissional e familiar, uma boa alimentação, descanso e atividade física adequados são a chave para proteger-se das dores de cabeça.

Apesar disso, 63% dos brasileiros dizem que mudar a sua situação é muito difícil. O excesso de trabalho e estudo (61%) e o trânsito (60%) são outros gatilhos que os entrevistados consideram complicados de modificar.

A vida moderna, sem dúvidas, revela novos responsáveis pelas dores. Ao menos é o que demonstra a pesquisa O futuro da dor de cabeça, realizada por Neosaldina® e conduzida pela WGSN Mindset. Segundo o estudo, cinco gatilhos são os impulsionadores do incômodo:

Ansiedade: cerca de 9,4% da população sofre de ansiedade no Brasil, de acordo com a OMS, sendo o País com mais casos da patologia no mundo.

“O transtorno de ansiedade é marcado por sintomas como a dificuldade de concentração, problemas no sono, preocupação excessiva e uso da alimentação como válvula de escape. Também pode causar dores sem justificativa física, como a própria dor de cabeça”, ensina a psicóloga especialista em cefaleias e doutora pelo departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Juliane Peres Mercante.

Para combater esse cenário, é importante que o paciente invista em interações sociais que proporcionem calma, espaços que propõem a diminuição da ansiedade e técnicas para relaxar e aprimorar a qualidade do sono.

Os vilões da cefaleia

  • Desidratação: é necessário ingerir líquidos durante todo o dia.
  • Jejum prolongado: comer de duas em duas horas faz a diferença.
  • Tensão e nervoso: controlar situações de estresse e ansiedade é fundamental.
  • Dormir demais ou de menos: ter horário para dormir e acordar e descansar tempo suficiente são essenciais.
  • Bebida alcoólica: exagerar no consumo de álcool pode causar a dor de cabeça.

Fonte: neurologista do Núcleo de Neurologia e Neurociências do Hospital Sírio-Libanês, Dr. Eduardo Mutarelli

Esgotamento cerebral: em um mundo conectado, o foco torna-se um desafio. Para a diretora da SBC e vice-coordenadora do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia, Dra. Célia Roesler, a sobrecarga de informações pode ocasionar esgotamento do cérebro e o aumento do estresse, desencadeando a dor de cabeça. Eles devem ser combatidos por meio de uma aposta em um estilo de vida mais saudável e equilibrado.

A dor da pós-verdade: a busca incessante pelo o que é “real” pode criar momentos de estresse e tensão. Ou seja, cada vez mais, as pessoas tratam fatos como opiniões, descartando aqueles que não gostam.

Autoexigência: o perfeccionismo constante contribui para o aumento da ansiedade na população. Além disso, a população passa a associar o excesso de atividades e a produtividade ao sucesso pessoal e profissional.

“A autoexigência tem relação direta com a alimentação e no fluxo de ‘preciso ser bom em tudo’, o conceito do se alimentar bem é constantemente confundido. Comer saudável contempla consumir o que gostamos e de forma equilibrada. Na falta de algum nutriente, em dietas restritivas ou com o mau funcionamento do intestino e na presença de problemas digestivos, o corpo pode reagir e desencadear uma dor de cabeça”, alerta a nutricionista Marcia Daskal.

Barulho 2.0: os ruídos aumentam exponencialmente e, como consequência, a angústia e o estresse pioram. O barulho pode ocasionar distúrbios de sono, estresse e problemas psicológicos.

A cefaleia está presente em quase toda a população, causando desconforto e incapacitando os acometidos de realizarem suas atividades cotidianas. Ter hábitos saudáveis e não abusar de medicamentos são aliados na prevenção

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Polêmica nos fármacos

Edição 306 - 2018-05-01 Polêmica nos fármacos

Essa matéria faz parte da Edição 306 da Revista Guia da Farmácia.