fbpx

Os riscos de não usar produtos combinados em tratamentos médicos

A integração do sistema agrega valor para as empresas farmacêuticas e para os pacientes, pois antecipa e minimiza os riscos de performance no início do desenvolvimento

A complexidade e o rigor dos produtos combinados têm exigido dispositivos de administração cada vez mais inovadores, como, por exemplo, a utilização de um sistema integrado por dispositivos e medicamentos, ao invés de adquirir componentes de diferentes fornecedores. Além de evitar problemas como quebra e incompatibilidade, os produtos integrados podem oferecer soluções para todas as interfaces entre o medicamento, o recipiente e o dispositivo de administração.

As terapias biológicas para tratar doenças crônicas têm crescido ao longo dos anos. O fato de muitas dessas terapias serem projetadas para a administração domiciliar por pacientes ou cuidadores através de injeções subcutâneas elevou o nível das tecnologias de administração por injeção contínua. Os pacientes recebem esses medicamentos em dispositivos de injeção já preenchidos, chamados de produtos combinados, que incluem autoinjetores, injetores acopláveis e seringas preenchidas.

Os fabricantes de medicamentos e seus parceiros têm a opção de adquirir esses componentes separadamente. Entretanto as empresas farmacêuticas que compram componentes assumem riscos adicionais que podem ser reduzidos através da escolha de um sistema integrado.

Os riscos contemplados pela não integração dos sistemas de administração incluem o não funcionamento adequado do sistema de administração, como quebra do recipiente primário, desempenho inconsistente e incompatibilidade entre seus principais componentes. As consequências podem variar desde altas taxas de descarte e resíduos durante o processo de preenchimento ou montagem até uma perda onerosa dos medicamentos e atraso da terapia pretendida.

Combinadas com a melhoria de processos e serviços, essas soluções diminuem os riscos de problemas relacionados ao desempenho do sistema, reduzem custos e evitam atrasos no lançamento, auxiliando as empresas farmacêuticas a terem êxito.

Foto: Shutterstock

Aceita app?

Edição 312 - 2018-11-01 Aceita app?

Essa matéria faz parte da Edição 312 da Revista Guia da Farmácia.